Marcelo sobre Sá Carneiro

"Formei a convicção de que não foi um acidente mas sim um atentado"

"Formei a convicção de que não foi um acidente mas sim um atentado"

O presidente da República, que esta sexta-feira homenageou Francisco Sá Carneiro, nos 40 anos da sua morte, afirmou, numa mensagem ao "Expresso da Meia-Noite", que está convicto de que Francisco Sá Carneiro morreu na sequência de um atentado, ainda que "não dirigido necessariamente" ao chefe de Governo da altura.

"Formei uma convicção como cidadão, que mantenho, de que não se tratou de um acidente mas sim de um atentado, embora não dirigido necessariamente a Francisco Sá Carneiro", sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa, que já tinha manifestado frustração pelo facto de, no plano da justiça, o caso Camarate não ter ficado esclarecido.

"Tenho pena como cidadão que a última decisão da justiça não tenha podido contar, por causa do tempo, com mais dados e, assim, tenha dito que não havia provas suficientes para apontar para o atentado. Não havia também provas suficientes para apontar para o acidente", realçou.

"Ficou por definir a verdade, em termos jurisdicionais, sobre a morte de Francisco Sá Carneiro e de todos os que o acompanhavam", lamentou.

Durante a homenagem de sexta-feira, o presidente da República afirmou que, "para quem acompanhou sucessivas comissões parlamentares de inquérito como representante da família de António Patrício Gouveia, lembrando sempre o corajoso Augusto Cid, e nessa qualidade concordou com as conclusões das últimas comissões no sentido de ter havido atentado, mesmo se não dirigido especificamente contra Francisco Sá Carneiro, é muito frustrante ter de admitir que o tempo acabou por não facilitar uma decisão jurisdicional com mais sedimentada base probatória".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG