Congresso

Francisco Rodrigues dos Santos: "hoje ganhou o CDS"

Francisco Rodrigues dos Santos: "hoje ganhou o CDS"

Francisco Rodrigues dos Santos, que viu a sua moção ao 28.º congresso do CDS ser a mais votada, com 46,4% dos votos, qualificou o resultado "uma vitória" para o partido.

A moção de estratégia de Francisco Rodrigues dos Santos foi a mais votada, com 671 votos (46,64%). A segunda mais votada foi a de João Almeida, com 562 votos (38,9%), e a terceira, a de Filipe Lobo d'Ávila, com 209 (14,45%), anunciou o secretário-geral do partido, Pedro Morais Soares.

Os dois candidatos derrotados apenas vão apresentar listas ao Conselho Nacional, pelo que, Rodrigues dos Santos será o único a apresentar lista à direção nacional e ser eleito líder ao final da manhã deste domingo.

Cerca das 3.30 horas, quando os resultados começaram a circular nos corredores do Congresso, que decorre em Aveiro, e ainda antes de serem proclamados os resultados oficialmente, Rodrigues dos Santos dirigiu-se à sala do congresso e, no caminho, falou aos jornalistas.

O líder da JP destacou a "participação extraordinária" - votaram 1449 congressistas - e que "qualquer presidente que consiga ver sufragada uma moção num cenário destes, certamente tem que atribuir primeiro a vitória ao seu partido".

"O CDS está forte, o CDS não vai fugir, o CDS vai combater", disse. Para Francisco Rodrigues dos Santos, "hoje ganhou o CDS".

Francisco Rodrigues dos Santos, adiantou que vai apresentar, este domingo, listas aos órgãos nacionais que "espelhem o pluralismo interno".

"Eu agora vou iniciar um processo de diálogo estruturado com ambas as listas [opositoras], precisamente para conseguirmos conjugar esforços e ter órgãos nacionais do partido que sejam representativos das várias sensibilidades que se apresentaram a congresso, é precisamente isso agora que farei, sendo certo que amanhã [este domingo] procurarei apresentar listas que espelhem este pluralismo interno que o congresso refletiu", afirmou aquele que deverá ser o próximo presidente do CDS.

Falando aos jornalistas pouco depois de ter sido anunciado que a moção que apresentou ao congresso foi a mais votada, tendo contado com 46,4% dos votos, Rodrigues dos Santos apontou que, a partir de agora, conta com João Almeida e Lobo d'Ávila, bem como "com todos os militantes do CDS que decidiram integrar essas duas moções de estratégia global".

"Vamos começar a formar as nossas equipas que comporão a liderança do CDS para os próximos dois anos e aí, naturalmente, que eu irei também ao encontro de militantes do partido que se encontraram afetos a outras candidaturas mas que eu reconheço talento, competência, energia e qualidade para abraçar, o futuro do CDS", assinalou.

Francisco Rodrigues dos Santos salientou que o seu "propósito" passa por "permitir que haja uma reunião em torno deste caderno de encargos, da estratégia que foi aprovada em congresso e, depois, saibamos escolher que perfil é que se indica para cada uma das posições que compõem os órgãos nacionais do partido".

"Esta é uma altura em que temos de definir o nosso plantel para os próximos dois anos", o que acontecerá nas próximas horas, apontou, observando estar "absolutamente confiante" que vai "conseguir estabelecer pontos de entendimento" que façam do CDS um partido "unido, coeso", para enfrentar os desafios que se avizinham.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG