O Jogo ao Vivo

Pedrógão Grande

Fundo Revita vai reanalisar suspensão de apoios a casas no final do mês

Fundo Revita vai reanalisar suspensão de apoios a casas no final do mês

O Conselho de Gestão do Fundo Revita deverá debater, no dia 29, o levantamento da suspensão de apoios das habitações afetadas pelo incêndio de Pedrógão Grande.

O Conselho de Gestão do Fundo ​​​​​​​Revita vai reunir-se no dia 29 deste mês para debater o levantamento da suspensão de apoios das habitações afetadas pelo incêndio de Pedrógão Grande que não foram visadas pelo Ministério Público ou que viram o seu processo arquivado, na sequência da investigação de suspeitas de fraude na reconstrução das casas ardidas, disse à agência Lusa António Mendes Lopes, representante das câmaras municipais no Fundo Revita, organismo criado pelo Governo para gerir donativos de apoio às populações afetadas.

Num relatório divulgado esta sexta-feira, o Tribunal de Contas (TdC) detetou défices de transparência e imprecisão na utilização e na execução do Fundo Revita e recomendou ao Conselho de Gestão que reanalisasse os casos das habitações apoiadas por este fundo para não prejudicar as famílias que aguardam a conclusão da reconstrução das casas destruídas pelos incêndios.

Segundo António Mendes Lopes, foi pedido um parecer jurídico sobre o despacho do Ministério Público sendo que, caso este esteja pronto até ao dia da reunião do Conselho de Gestão, deverá ser tomada uma decisão sobre a retirada ou não da suspensão dos casos que não foram objeto de suspeita do Ministério Público ou que foram arquivados na sequência da acusação.

O também chefe de divisão de obras municipais de Figueiró dos Vinhos não entende "grande parte das críticas" do Tribunal de Contas e salienta ainda que toda a atividade do organismo foi auditada e aprovada por serviços do Estado.

O representante das autarquias no Fundo Revita realça que a fiscalização foi assegurada por serviços do Estado, porque o Fundo Revita não tinha meios para tal, e frisou que "há toda a documentação que justifica as despesas" efetuadas e que foi disponibilizada a todos os organismos do Estado.

PUB

A documentação apenas "não foi tornada pública, porque este é um meio pequeno e escarrapachar os nomes das pessoas poderia criar um certo mal-estar" na população, tentando-se evitar atritos que se poderiam gerar nas aldeias, afirmou.

António Mendes Lopes explicou ainda que os apoios na área da agricultura foram atribuídos mediante o levantamento e comunicação dos danos por parte da Direção Regional de Agricultura e que o dinheiro que ainda falta aplicar (815 mil euros) só irá ser usado após a conclusão das obras ainda em curso, visto que ainda faltam pagamentos nessa área.

Assim que o processo de reconstrução de habitações permanentes estiver concluído, o Fundo Revita irá reunir com os presidentes das câmaras municipais afetadas para definir onde é que o dinheiro remanescente pode ser aplicado, acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG