Decisão

Governo afasta presidente da entidade responsável pela linha SNS24

Governo afasta presidente da entidade responsável pela linha SNS24

O Governo afastou esta quinta-feira Henrique Martins, presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, entidade responsável pela linha SNS24. O substituto será o antigo secretário de Estado Luís Goes Pinheiro.

O Ministério da Saúde disse à agência Lusa que "o Conselho de Administração da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde terminou o mandato a 31 de dezembro de 2019" e, "tal como em outras entidades, o processo de nomeação de novo órgão de gestão decorreu desde então". Face ao afastamento, os ministérios das Finanças e da Saúde nomearam o novo conselho de administração, constituído pelo ex-secretário de Estado Adjunto e da Modernização Administrativa, Luís Goes Pinheiro (presidente), Sandra Cavaca e Domingos Pereira (vogais).

Henrique Martins, que sai juntamente com os vogais Artur Mimoso e João Martins, disse não compreender a decisão, uma vez que a entidade estava a cumprir os objetivos estabelecidos por contrato e já tinha manifestado disponibilidade para continuar no cargo. "O mandato acabou a 31 de dezembro, mas eu entendo que a entidade está a trabalhar, está a funcionar, e foi um pouco de repente esta informação", disse Henrique Martins, à Lusa, negando que a não recondução no cargo se tenha devido aos constrangimentos da Linha SNS 24 relacionados com o surto pelo novo coronavírus.

"O contrato que nós temos com o operador, que é a Altice, tem um limite máximo que são as 10 mil chamadas e isso foi atingido. Portanto, nós gerimos bem o contrato. O que acontece é que temos um excesso de chamadas causado por esta situação, que é uma situação completamente atípica", sublinhou.

O conselho de administração também pediu ao Ministério da Saúde que "atuasse em relação à disponibilização de enfermeiros e horários extra, logo na terça-feira, para resposta a esta situação, mas isso não foi feito". "Por isso, não pode ter sido por essa razão que quanto muito estaria do lado deles e não do nosso", vincou Henrique Martins.

PUB

O até agora responsável afirmou que gostaria de continuar no cargo, contando que apresentou essa disponibilidade à secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila madeira, no final de novembro. "Fiz isto para garantir que era feito uma nomeação com tranquilidade, com calma, já antevendo um bocadinho que íamos ter um inverno difícil e voltei a insistir", disse, referindo que pediu uma audiência com ministra da Saúde, Marta Temido, em meados de janeiro, que não lhe foi dada, para mostrar disponibilidade para mais um mandato.

A comissão de serviço tinha terminado no passado dia 31 de dezembro, mas Henrique Martins continuou em funções até agora. O presidente do Conselho de Administração dos SPMS, cargo que ocupava desde abril de 2013, disse que poderia continuar a exercer a função, uma vez que o limite são três mandatos, cada um de três anos. Henrique Martins afirmou ainda que não lhe foi dada qualquer justificação para a decisão.

Linha SNS24 deixa cair um quarto das chamadas

O pico de chamadas para a linha de saúde de apoio aos cidadãos foi atingido na segunda-feira, dia em que se confirmaram os primeiros casos de Covid-19 em Portugal. Médicos também desesperam à espera.

Em 13.532 chamadas registadas na linha telefónica do SNS24 - Serviço Nacional de Saúde, que funciona 24 horas por dia, 3569 não foram atendidas por incapacidade dos operacionais de serviço, que são enfermeiros.

A notícia é revelada pelo jornal "Público". Ou seja, cerca de um quarto do total de chamadas ficou por atender, uma vez que os utentes desistiram antes de serem atendidos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG