Nacional

Governo aprova reforço da supervisão financeira

Governo aprova reforço da supervisão financeira

O Governo aprovou, em Conselho de Ministros, um conjunto de medidas tendo em vista o reforço da supervisão do sector financeiro e um agravamento das coimas das infracções e crimes de mercado.

O pacote de medidas inclui uma proposta de lei, que vai ser submetida à Assembleia da República e revê o regime sancionatório em matéria criminal e contra-ordenacional no sector financeiro, actualizando as molduras penais e agravando os montantes das coimas em caso de infracções e crimes de mercado.

A moldura das penas é elevada dos actuais três para cinco anos e o limite de coimas aplicadas passará para cinco milhões de euros. Além disso, prevê-se o agravamento da coima máxima aplicável, quando o dobro do benefício económico obtido com o crime exceder este limite.

"Uma das lições que podemos tirar [da actual situação do sistema financeiro] é que o modelo de regulação que opta pela desregulação em excesso pode causar problemas como a crise da 'subprime'", declarou o ministro de Estado e das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, na conferência de imprensa após a reunião do Conselho.

"Pretende-se, assim, punir de forma agravada os casos em que a violação do dever deu origem a uma vantagem financeira de valor particularmente elevado", explicou.

A proposta prevê ainda o agravamento da natureza das contra-ordenações associadas à violação de deveres de informação e de constituição ou contribuição para fundos de garantia obrigatórios, que passam de graves a muito graves, bem como introdução da figura do processo sumaríssimo no sector bancário e no sector segurador, para tornar a intervenção dos supervisores mais rápida e eficaz.

A nova lei prevê também a extensão do regime da publicidade das decisões condenatórias em processo contra-ordenacional, à área bancária e dos seguros.

A nova lei abrange as remunerações dos gestores, introduzindo-se a obrigatoriedade de submeter à aprovação da Assembleia Geral das empresas uma declaração sobre a remuneração dos administradores, e da divulgação, nos documentos de prestação de contas, da política de remuneração desses membros e do montante anual da remuneração auferida, de forma agregada ou individual.

Mais informação e transparência

O Executivo aprovou ainda um decreto-lei que reforça os deveres de informação e transparência no âmbito da actividade financeira, bem como os poderes de supervisão das autoridades de regulação.

As instituições financeiras passarão a estar obrigadas a prestar regularmente às autoridades de supervisão informações sobre o nível de exposição e controlo de riscos, avaliação de activos, nomeadamente os que sejam transaccionados em mercados pouco líquidos e transparentes.

Estas entidades terão ainda de informar os supervisores sobre participações e interesses detidos ou geridos por instituições financeiras e sociedades abertas em sociedades com sede em Estado que não seja membro da União Europeia (definição que abrange as sociedades 'off shore' sedeadas em paraísos fiscais).

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG