Saúde

Governo comprou tabelas óticas com palavrão

Governo comprou tabelas óticas com palavrão

Novo modelo, adquirido em Itália, foi distribuído pelos centros de saúde nacionais, causando espanto e gozo junto dos utentes. SPMS já mandou recolher.

Algumas tabelas destinadas a avaliar a acuidade visual dos pacientes, compradas e distribuídas pelo Governo português, contêm um palavrão que está a deixar os utentes admirados. A conjugação das letras "F", "O", "D" e "E", para além de insólita, é uma distração que prejudica a realização do exame, dizem os optometristas.

A compra da nova tabela optométrica decimal foi autorizada pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), num acordo quadro do final de 2015, e tem vindo a ser executada por cada Administração Regional de Saúde.

Fonte oficial dos SPMS confirmou ao JN que se tratou de um lapso decorrente do facto "de a empresa fabricante ser italiana e, para eles, a palavra não lhes diz nada". Ou seja, o palavrão "já tinha sido detetado" e o problema "foi reportado a todas as Administrações Regionais de Saúde" do país, no sentido de se avançar "com o processo de substituição", que "está em curso", acrescenta a fonte.

A atual tabela optométrica é um modelo melhorado fabricado por duas empresas italianas, a Moretti e a GIMA, que é vendido por distribuidores nacionais. Deve ser lida a três metros de distância e possui iluminação, tendo substituído os antigos modelos em plástico ou cartão.

O problema é a quarta linha, que não deixa de gerar admiração e algum humor a quem faz o teste. De forma seguida, estão as letras "F", "O", D" e "E", que juntas originam um palavrão que pode ser mais sério do que aparenta.

Segundo Raúl Alberto Sousa, presidente da Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO), o palavrão constitui "um perturbador da consulta" não desejável. Como estas tabelas devem ser lidas letra a letra e não a palavra como um todo, "normalmente as letras lidas de forma seguida não fazem sentido porque, se fizessem, só ia distrair a pessoa".

Pedem para tirar fotos

Nas redes sociais, os utentes dos centros de saúde de Guimarães, que recentemente receberam as novas tabelas, já estão a gozar com a circunstância. Uma utente do Centro de Saúde de Pevidém ficou surpreendida quando viu a tabela no consultório. "Eu estive mesmo para lhe pedir para tirar uma foto", refere. Não pediu, mas houve quem o fizesse, revela um médico: "Pedem-me para tirar uma fotografia para gozarem com isso".

O JN questionou a ARS-Norte para saber por quanto adquiriu as tabelas optométricas, quando e em que quantidade. Nenhuma das questões foi respondida, mas fonte oficial da ARS-Norte disse que todas as tabelas que existem têm a mesma disposição de letras: "Após consulta da tabela em apreço na internet, verifico que todas as que consultei têm a mesma disposição das letras, ou seja, baseadas, tecnicamente, na escala optométrica de Snellen".

Para além desta resposta ser desmentida pelos SPMS, que admitem o lapso, também é desmentida pelos optometristas. "Claramente não é assim. O que importa é o tipo de letra e que sejam letras que possam ser confundidas", elucida o presidente da APLO. Uma simples pesquisa no Google por "tabela de Snellen" ou "Snellen chart" permite encontrar múltiplas formas de disposição das letras. Também lá está a tabela com o palavrão, mas está longe de ser a única.