Ministro

Governo corrige "eventuais erros" nos apoios a crianças com deficiência em Viana

Governo corrige "eventuais erros" nos apoios a crianças com deficiência em Viana

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou que o Governo vai "corrigir eventuais erros" na atribuição dos apoios a crianças com deficiência, depois de ter identificado uma situação "anómala" em Viana do Castelo.

"Nós já tínhamos identificado a situação de haver aqui uma resposta mais frágil do que o que está a acontecer na generalidade do país. Estamos a investigar porquê e a reavaliar os processos, para corrigir esses eventuais erros", afirmou o governante à margem das comemorações dos 140 anos do Lar de Santa Teresa, naquela cidade.

Em causa estão apoios especializados, no âmbito da psicologia, terapia da fala e terapia ocupacional.

O ministro, que reuniu, hoje, na Câmara local, com os pais das crianças com deficiência e carência económica do distrito que têm vindo a contestar os cortes naquele apoio monetário, admitiu ter sido "identificada uma situação, aparentemente, anómala no Centro Distrital de Viana do Castelo".

"Estamos a trabalhar para a investigar, avaliar e corrigir", garantiu, explicando que os "eventuais erros" poderão ter ocorrido na sequência "da reforma, recente, do modelo de atribuição do subsídio de educação social".

Disse que se trata de "uma prestação da Segurança Social que se destina a apoiar famílias que têm crianças e jovens com necessidade especiais".

"A cobertura de famílias alargou-se de forma substancial porque tinha havido, num passado recente, uma redução desse tipo de intervenção. Todos os processos novos têm algumas dificuldades de arranque", adiantou.

O ministro Vieira da Silva destacou que relativamente ao passado recente, em que tinha havido uma forte contração desses apoios, há um crescimento superior a 30 ou 40% de crianças e jovens que estão a ser, a nível nacional, abrangidas por este apoio".

No início deste mês, cerca de 30 pais de crianças com deficiência e carência económica do distrito de Viana do Castelo participaram numa vigília no centro distrital da Segurança Social em protesto contra os cortes nas prestações familiares.

A vigília foi promovida pela Associação Nacional de Empresas de Apoio Especializado (ANEAE), com o apoio da Associação de Apoio à Criança Hiperativa.

Na altura, em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da ANEAE, Jorge Filipe Guimarães explicou que "das cerca de 200 crianças com deficiência e em carência económica, seguidas pela associação, 90% viram indeferidos as suas prestações familiares".

"Essa é apenas uma amostra. São 200 processos seguidos pela ANEAE, mas o número de crianças do distrito de Viana do Castelo com carências económicas afetadas com cortes nas prestações familiar é superior", revelou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG