Conselho de Ministros

"Com toda a segurança", Governo não renova situação de alerta da covid-19

"Com toda a segurança", Governo não renova situação de alerta da covid-19

O Governo decidiu, esta quinta-feira, não renovar a situação de alerta em Portugal continental devido à pandemia de covid-19. Mais de 450 mil pessoas já foram vacinadas este mês contra o SARS CoV-2 e o vírus da gripe.

"A situação da pandemia permite-nos tomar, com toda a segurança, a decisão de não renovar o estado de alerta em território continental" devido à pandemia de covid-19, anunciou o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros.

Em seguida, justificou a medida com "o elevado nível de vacinação da população portuguesa, da proteção conferida pela vacina e da menor agressividade das estirpes de SARS-CoV-2 que estão neste momento em circulação, da incidência da doença e sobretudo do seu impacto na saúde das pessoas e no funcionamento no sistema de saúde, que tem-se mantido estável e controlado".

PUB

"O fim do estado de alerta não significa, porém, que a pandemia de covid-19 está ultrapassada", frisou o ministro da Saúde. "Temos de continuar a vigiar a evolução da doença e conferir prioridade à vacinação, em especial das pessoas que estão em maior risco", acrescentou.

Pizarro agradeceu em seguida à adesão dos portugueses à campanha de vacinação sazonal da covid-19 e da gripe, revelando que "desde o início de setembro e até ao dia de hoje foram vacinadas contra estas duas doenças mais de 450 mil pessoas".

E num "contexto de progressivo regresso à normalidade", o ministro da Saúde apelou à "manutenção dos cuidados de higiene respiratória" e lembrou que "o uso de máscara manter-se-á obrigatório nas unidades de saúde e nas unidades residenciais para pessoas idosas".

"Quem adoecer com covid-19 ou que contactaram com um doente devem usar máscara e manter o mais possível o distanciamento em relação a terceiros, principalmente os que são mais vulneráveis", recomendou Pizarro.

"A higiene das mãos e a higiene respiratória devem continuar a ser reforçadas", concluiu.

A situação de alerta estava em vigor ininterruptamente desde fevereiro. Segundo o Instituto Ricardo Jorge, desde 2 de março de 2020, quando foram notificados os primeiros casos de covid-19 no país, até 23 de setembro, Portugal tinha registado um total de 5.483.226 infeções pelo vírus que provoca a covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG