O Jogo ao Vivo

PRR

Governo e Banco de Fomento chamados a explicar apoios a Mário Ferreira

Governo e Banco de Fomento chamados a explicar apoios a Mário Ferreira

O ministro das Finanças, Fernando Medina, e a presidente do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, foram chamados ao Parlamento para prestarem esclarecimentos sobre o investimento aprovado à candidatura da empresa Pluris Investments, do empresário Mário Ferreira, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

O Bloco de Esquerda foi o primeiro partido a apresentar o requerimento, anteontem, para ouvir apenas a presidente do Banco Português de Fomento. Segundo nota do Grupo Parlamentar, a "utilização de jurisdições com regimes fiscais claramente mais favoráveis" por parte das empresas de Mário Ferreira "justificam, por si só, o escrutínio dos fundos agora atribuídos".

PUB

Em causa está o facto de a Pluris Investments ter visto aprovados cerca de 40 milhões de euros em empréstimos do Programa de Recapitalização Estratégica do Fundo de Capitalização e Resiliência do PRR, que até agora só atribuiu 77 milhões de euros a 12 empresas, mas a de Mário Ferreira recebeu mais de metade do valor total. O empresário já fez saber que os 40 milhões de euros destinam-se a apoiar um aumento de capital da Mystic, de navios turísticos.

Para o BE importa "aferir se as atividades do empresário se enquadram nas prioridades de desenvolvimento e de diversificação da estrutura industrial nacional.

Poucas empresas

O PAN juntou-se ontem ao BE e quer ouvir Beatriz Freitas, mas entende que Fernando Medina também tem de dar explicações pois é ele "que representa o Estado no capital social do Banco de Fomento". O partido ambientalista critica o "excesso de concentração dos apoios num reduzido número de empresas" e manifesta preocupação com "a atribuição de mais de metade da dotação deste programa à Pluris", cujo dono está ligado a "alegados indícios de branqueamento de capitais no âmbito da atribuição de fundos europeus". As audições têm caráter de urgência e devem ocorrer até ao fim do mês.

Juro pode chegar a 9,5%

O Fundo de Capitalização e Resiliência dispõe de 1,3 mil milhões de euros para emprestar às empresas e atribuiu, até agora, 77 milhões de euros. A taxa de juro do empréstimo à Pluris inicia com spread de 2,5% e evolui para 9,5%, mais Euribor a seis meses. As outras empresas apoiadas foram a MD, Viagens Abreu, Coindu, Lunainvest, ERT, Hubel, Orbitur, António Falcão, Travel Store,Enging e Qualhouse. O Grupo Pluris tem investimentos em cerca de 40 empresas e tem a gestão da maioria, como é o caso da Media Capital, dona da TVI e CNN Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG