Covid-19

Graça Freitas pede que não se especule sobre causas da morte de criança

Graça Freitas pede que não se especule sobre causas da morte de criança

A diretora-geral da Saúde afirmou que é preciso "esperar o tempo próprio" para quem está a investigar as causas da morte de uma criança com covid-19 poder chegar a uma conclusão.

"Qualquer coisa que se diga é prematuro", adiantou Graça Freitas, em declarações à agência Lusa sobre a morte, no domingo, de um menino de seis anos com teste positivo para SARS-CoV-2, um dia depois de ter dado entrada no Hospital Santa Maria, em Lisboa, com um quadro de paragem cardiorrespiratória.

A diretora-geral da Saúde deixou três mensagens sobre este caso: "Solidariedade e respeito para com a família, não fazer comentários sem saber as conclusões das investigações e deixar uma palavra de serenidade para a vacinação".

Graça Freitas frisou que apenas vai dizer "três coisas" sobre este caso. "A primeira, de um respeito profundo e de um lamento profundo e de uma solidariedade profunda para com os pais e acho que esse respeito tem que se manter".

A segunda, é que "não se deve tirar conclusões sem saber o que de facto aconteceu", disse, sublinhando que é preciso esperar: "não há nada a fazer".

Por último, Graça Freitas quis deixar "uma palavra de serenidade para os pais e para todas as pessoas que, neste momento, estão a receber vacinas", apelando para continuarem a aderir ao processo de vacinação contra a covid-19.

PUB

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) anunciou na segunda-feira que um menino de seis anos com teste positivo para SARS-CoV-2 morreu no domingo no Hospital Santa Maria e que as causas da morte estão a ser analisadas.

O centro hospitalar afirmou, em comunicado, que a criança deu entrada no hospital no sábado com "um quadro de paragem cardiorrespiratória".

"A criança tinha a primeira dose da vacina contra a covid-19, tendo o CHULN notificado o caso ao Infarmed e à Direção-Geral da Saúde" (DGS), refere o comunicado.

A Autoridade Nacional do Medicamento confirmou, também na segunda-feira, ter recebido uma notificação de suspeita de reação adversa relacionada com esta morte.

Segundo o regulador nacional, estão a ser recolhidos "dados adicionais por parte do notificador para análise e avaliação da imputação de causalidade, uma vez que, não sendo a aparente relação temporal o único determinante na avaliação da causalidade, é necessário proceder à recolha de toda a informação clínica".

Entretanto, a Procuradoria-Geral da República (PGR) instaurou a abertura de inquérito, que corre no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG