O Jogo ao Vivo

Covid-19

Graça Freitas: "Um milhão de infetados foi um cenário inicial"

Graça Freitas: "Um milhão de infetados foi um cenário inicial"

A diretora-geral da Saúde esclareceu este sábado que o número de um milhão de infetados por Covid-19 em Portugal foi um cenário e não uma previsão. "Serve para prever impactos", disse.

Graça Freitas veio esclarecer este sábado, em conferência de imprensa, que o cenário de um milhão de infetados em Portugal por Covid-19 ao longo de 12 a 14 semanas foi uma previsão inicial, que serviu para "programar serviços" numa possível pior semana de propagação da epidemia. Esta foi a reação da diretora-geral de Saúde à entrevista que deu ao semanário "Expresso" e que estimava ainda que cerca de 200 mil pessoas teriam a doença Covid-19 com gravidade.

"Foi um primeiro cenário, que fomos apurando, não estamos à espera que aconteça", tranquilizou Graça Freitas, salientando que o número de um milhão de infetados tinha como base a taxa de ataque da gripe A, em 2009. O número do cenário (em caso de epidemia) é atualmente de 21 mil afetados por coronavírus em Portugal, segundo a DGS. Até ao momento, o país não registou casos positivos de Covid-19. De todos os 70 casos suspeitos, nenhum foi validado. Três estão, neste momento, em análise.

A diretora-geral de Saúde aproveitou a conferência de imprensa para esclarecer que as confirmações de coronavírus, registadas nos últimos dias, não se referem ao Covid-19, o surto que começou na cidade chinesa de Wuhan e que já fez mais de 2800 mortos em todo o mundo. "Há casos positivos para coronavírus sazonais", como por exemplo, a gripe, afirmou Graça Freitas.

A Direção-Geral da Saúde continua a validar casos suspeitos e Portugal está em "fase de contenção alargada". Além do Hospital São João (Porto), do Hospital Curry Cabral (Lisboa) e do Hospital Dona Estefânia (Lisboa), juntam-se mais duas unidades hospitalares para receber os casos suspeitos de Covid-19: o Hospital Santo António, no Porto, e o Hospital Pediátrico de Coimbra. Também as regiões autónomas da Madeira e dos Açores estão prontas para receber doentes.

Outras dez unidades hospitalares em Portugal estão preparadas para serem ativadas, caso se verifique uma semana crítica de propagação do Covid-19. O início da semana passada, que culminou com o aumento repentino de casos de infetados por coronavírus em Itália, teve um impacto em Portugal. Além do aumento de casos suspeitos no país, houve "uma grande pressão no sistema de saúde", acrescentou Graça Freitas.

Direitos laborais assegurados

A diretora-geral da Saúde garantiu ainda que as pessoas que façam isolamento voluntário, e que possam vir a estar infetadas com o coronavírus, terão "toda a proteção do Estado", tal como acontece quando têm uma doença e têm de se ausentar do local do trabalho. "Os direitos laborais estão assegurados. O Estado cuida das suas pessoas", disse.

Apenas a dois cidadãos portugueses foi confirmada a infeção pelo coronavírus: estão internados no Japão e eram tripulantes do navio de cruzeiro "Diamond Princess".

Outras Notícias