Natalidade

Há 14 anos que as mulheres não tinham tantos filhos

Há 14 anos que as mulheres não tinham tantos filhos

No ano passado, nasceram mais de 87 mil crianças, o equivalente a 1,41 filhos por mulher, o número mais elevado desde 2005, segundo dados divulgados, esta sexta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatísticas.

Em 2018, Portugal perdeu 14.410 habitantes mas nasceram mais 1% de bebés, um total de 87.020 nados-vivos face a 86 154 em 2017. Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), (86 154). O índice sintético de fecundidade registou, assim, um aumento, para 1,41 filhos por mulher (1,37 em 2017). Trata-se do valor mais alto desde 2005.

De acordo com as Estatísticas Demográficas, reveladas esta sexta-feira, a idade média das mulheres ao nascimento de um filho continuou a aumentar, situando-se em 31,4 anos (31,2 em 2017), enquanto a idade média ao nascimento do primeiro filho passou para 29,8 anos (29,6 anos em 2017).

Já o número de óbitos foi de 113 051, o que representa um aumento de 3% relativamente a 2017 (109 758). O número de óbitos infantis foi 287, mais 58 que em 2017. A taxa de mortalidade infantil aumentou para 3,3 óbitos por mil nados-vivos (2,7‰ em 2017).

O INE revela ainda que, no ano passado, realizaram-se em Portugal 34 637 casamentos, mais 3% que no ano anterior (33 634). A idade média ao primeiro casamento foi 33,6 anos para os homens e 32,1 anos para as mulheres (33,2 anos e 31,6 anos, respetivamente, em 2017).

Em contraponto, o número de divórcios reduziu-se 5,7% para 20 345. A idade média ao divórcio foi 47,1 anos para os homens e 44,6 anos para as mulheres.

Estima-se que, durante 2018, tenham entrado em Portugal 43 170 imigrantes permanentes, mais 17,8% que em 2017 (36 639), e tenham saído 31 600 emigrantes permanentes, menos 0,5% que em 2017 (31 753). Assim, o saldo migratório foi positivo pelo segundo ano consecutivo (4 886 em 2017 e 11 570 em 2018).

Em 2018, 28 856 estrangeiros adquiriram a nacionalidade portuguesa, um número superior em 23,7% ao de 2017 (23 320): 21 333 aquisições da nacionalidade respeitaram a residentes em Portugal e 7 523 a residentes no estrangeiro.

Apesar do aumento da natalidade, do decréscimo da emigração e do aumento da imigração, a situação demográfica em Portugal em 2018 continua a caracterizar-se pelo decréscimo da população residente, ainda que atenuado nos dois últimos anos, conclui o INE.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG