O Jogo ao Vivo

Exclusivo

Hospitais em desespero contra terceira vaga que é um "tsunami"

Hospitais em desespero contra terceira vaga que é um "tsunami"

Nos hospitais das regiões Centro e Lisboa e Vale do Tejo há cada vez mais relatos de rutura. Todos os dias abrem-se camas para doentes covid, todos os dias ficam lotadas.

As urgências entopem com dezenas de doentes à espera de vaga nos internamentos. Nos cuidados intensivos sobra uma vaga aqui outra ali, muito pouco para dar resposta a uma terceira vaga que assumiu a dimensão de um "tsunami".

A expressão é de Artur Vaz, presidente do Hospital Beatriz Ângelo (Loures), que retrata um cenário dramático. À SIC, o gestor hospitalar falou da angústia de ver profissionais exaustos e da impotência para fazer face à procura crescente. Com 232 doentes covid internados, o hospital está a rebentar pelas costuras. Nos cuidados intensivos só há vagas quando há mortes ou quando são dadas altas - e são menos 50% do que numa situação normal porque o doente covid leva mais tempo a recuperar. "Esta terceira vaga não é uma onda. É um tsunami que está a varrer tudo à sua passagem", diz Artur Vaz.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG