Governo

Hospital da Cruz Vermelha fica fora da "rede Covid"

Hospital da Cruz Vermelha fica fora da "rede Covid"

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede Covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, pois face à situação atual, tal não é necessário.

"Consideramos não se justificar atualmente a integração do Hospital da Cruz Vermelha na rede Covid, sem prejuízo do contributo vital que, nesta fase, já é desenvolvido por essa instituição no apoio ao Estado num cenário ímpar e de especial exigência", lê-se numa nota conjunta dos ministérios da Saúde e da Defesa Nacional.

O Governo destacou "o papel da Cruz Vermelha Portuguesa como parte integrante da proteção civil, numa resposta articulada com as entidades competentes".

Segundo a nota do executivo, "a Cruz Vermelha Portuguesa tem demonstrado ser um parceiro absolutamente imprescindível ao serviço do país, expresso num vasto número de iniciativas e ações levadas a cabo no combate a esta epidemia, desde a realização de testes laboratoriais de triagem 'smart' junto dos lares de idosos, ao transporte de doentes suspeitos de Covid-19, à cedência de equipamentos e ao apoio aos serviços de proteção civil e demais instituições, até à instalação da unidade modular no Hospital de Santa Maria para contenção de doentes suspeitos".

Isto, numa altura em Portugal, e quase todo o mundo enfrenta o surto do novo coronavírus, pelo que a colaboração intersectorial tem-se revelado "fundamental na preparação e resposta" a uma pandemia que exige um esforço coordenado dos diferentes setores da sociedade e dos parceiros do sistema de saúde pública, assinalou.

"Foi também no contexto deste espírito colaborativo que foi recebida a informação de que o Hospital da Cruz Vermelha poderia passar a funcionar ao serviço de Estado, no combate ao surto do novo coronavírus integrado na rede Covid", vincou o executivo.

Porém, de acordo com o Governo, a dinâmica da situação epidemiológica e a incerteza científica quanto às características deste vírus exige, de modo a flexibilizar uma resposta que garanta o envolvimento coordenado de todos os intervenientes do sistema, uma avaliação regular do nível de preparação e resposta à pandemia.

E, sublinhou, foi no "âmbito desta avaliação permanente" que foi excluída, neste momento, a integração na "rede Covid" do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

Na terça-feira, mais de uma centena de profissionais do Hospital da Cruz Vermelha acusou o presidente da instituição, Francisco George, de "estar a pôr em risco a sobrevivência clínica e económica do hospital".

O alerta foi feito numa "carta denúncia" endereçada ao presidente da República, presidente da Assembleia da República, primeiro-ministro e ministros das Finanças, Defesa e Saúde, e assinado por médicos, enfermeiros, técnicos, administrativos e auxiliares de ação médica e colaboradores.

No documento, a que a Lusa teve acesso, os profissionais manifestaram a "enorme preocupação" com a forma como Francisco George, presidente da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) e presidente do Conselho de Administração não-executivo do Hospital da Cruz Vermelha (HCVP)m "está a pôr em risco a sobrevivência clínica e económica" do hospital.

Francisco George, ouvido pela Lusa, estranhou a iniciativa, explicando: "Estou há pouco tempo na CVP, estou na administração de manhã à noite, vejo o diretor clínico todos os dias, e até hoje nada me disse".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG