Pandemia

Hotéis podem vir a acolher idosos de lares infetados

Hotéis podem vir a acolher idosos de lares infetados

Instituição de Vila Real com 76 utentes vive situação dramática. Autarca local fala em 20 casos positivos e que não há equipa de enfermagem. Governo pondera alargar os testes.

"Estamos a admitir a mobilização de unidades hoteleiras para poder haver a instalação [de idosos], quando carecem de cuidados que não podem ser assegurados por outros meios". A solução foi apontada pelo primeiro-ministro no debate quinzenal de ontem, para responder às dificuldades dos lares e residências de idosos que registam cada vez mais casos de utentes e funcionários infetados.

O primeiro sinal de alarme surgiu no sábado, após um lar em Vila Nova de Famalicão ficar sem funcionários e os 31 utentes terem sido levados para o Hospital Militar do Porto. Ontem à noite, o autarca de Vila Real, Rui Santos, esperava igual solução para 76 utentes da instituição de Nossa Senhora das Dores, apenas com 13 funcionários a trabalhar, sete deles infetados. Dos testes realizados aos idosos, 13 acusaram positivo.

"Estamos a viver uma situação dramática. A delegação de saúde deu ordem para que todos entrassem em isolamento profilático", explicou ao JN, sublinhando que o lar está "sem equipa de enfermagem" para assegurar os cuidados de saúde. Os restantes funcionários - ao todo 57 - estão a cumprir isolamento.

Rui Santos acredita que a melhor solução será transferir os utentes para o Hospital Militar do Porto, mas até ao fecho desta edição, o Governo ainda não tinha dado respostas. "É um silêncio ensurdecedor", criticou o autarca, acrescentando que enviou missivas para os ministérios da Saúde e da Segurança Social. Este último respondeu ao JN que estava "a acompanhar a situação com a Administração Regional de Saúde do Norte".

Ontem, foram reportados também sete casos em Aveiro. O presidente da Câmara, Ribau Esteves, adiantou que a autoridade de saúde e o hospital local ponderam testar os utentes do lar da Misericórdia. Em Santo Tirso, uma funcionária do lar Dra. Leonor Beleza deu positivo.

No lar de Almalaguês (Coimbra) foram diagnosticados mais três casos (cinco no total) em quatro utentes e uma funcionária. Apesar disso, desde domingo que se aguarda a realização de testes à generalidade dos utentes que ali permanecem.

Sobre as queixas ao racionamento de testes de despistagem, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, garantiu, ontem, que o Governo pondera alargar os testes "a doentes assintomáticos que possam ter contacto com doentes com Covid-19", incluindo "pessoas que trabalham em lares e residências de idosos". Além disso, os responsáveis de lares privados e das IPSS insistem que é necessário "apetrechar as instituições de equipamento de proteção individual" para evitar mais contágios.

António Costa revelou ainda que o Governo reuniu "com o terceiro setor, para adotar medidas que visam assegurar as melhores condições de proteção", entre elas a possibilidade de as Forças Armadas higienizarem as instituições com casos positivos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG