Covid-19

Idosos e doentes com mais de 50 anos começam a ser vacinados na quarta-feira

Idosos e doentes com mais de 50 anos começam a ser vacinados na quarta-feira

Idosos a partir dos 80 anos e as pessoas com mais de 50 anos, e quatro doenças associadas, devem começar a ser vacinadas na quarta-feira, no âmbito de mais uma etapa do plano de vacinação.

O alargamento da vacinação da covid-19 aos idosos com mais de 80 anos e às pessoas com mais de 50, e quatro doenças associadas começa esta semana em algumas instituições, que estão a funcionar como projetos-piloto.

Na próxima quarta-feira, dia 3 de fevereiro, estas pessoas devem começar a receber as primeiras doses da vacina. A informação foi avançada esta segunda-feira por Luís Goes Pinheiro, presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), numa conferência de imprensa com a ministra da Saúde, Marta Temido, que fez o ponto de situação da vacinação.

Goes Pinheiro adiantou ainda que a data e o local da vacinação estão a ser comunicados aos utentes por SMS, pelo número 2424, que devem responder se aceitam ou não. Prevê-se que a vacina chegue a 900 mil pessoas nestas circunstâncias.

Os utentes com mais de 50 anos, eleitos para esta etapa de vacinação, são pessoas com insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal, doença pulmonar obstrutiva crónica ou doença respiratória crónica.

PUB

De acordo com Marta Temido, até segunda-feira, o país recebeu 387.270 vacinas da BioNTech/Pfizer e 19.200 da Moderna, das quais 10.800 chegaram apenas no domingo.

Da BioNTech/Pfizer chegaram esta segunda-feira 86.580 vacinas, das quais 23.400 foram enviadas para as Regiões Autónomas (11.700 para os Açores e 11.700 para a Madeira).

Para fevereiro estão previstas mais duas entregas de vacinas da Moderna e três da Pfizer e duas da vacina da AstraZeneca, recentemente aprovada pela Agência Europeia do Medicamento, tendo a ministra revelado que as entregas previstas para os dias 9 e 19 de fevereiro, desta farmacêutica, totalizam 200 mil doses.

Ajuda da Alemanha não confirmada

Questionada pelos jornalistas, a ministra optou por não confirmar o anúncio do ministério da defesa alemão de que, também na quarta-feira, chegarão 26 profissionais de saúde e equipamentos daquele país para ajudar a combater a pandemia.

"Esta semana será de muita pressão nas enfermarias, e na segunda e terceira semanas de fevereiro [haverá] muita pressão nos cuidados intensivos", antecipou.

Marta Temido explicou preferir anunciar este apoio só quando todos os detalhes do acordo estiverem fechados. E, tal como o secretário de Estado Adjunto e da Saúde tinha avançado ao início da tarde, a governante frisou ser prioritário "alargar aquilo que é a capacidade instalada no país", tal como disse que defendem os profissionais de saúde que tem ouvido.

No entanto, a ministra não afastou a hipótese de o acordo com aquele país europeu ser anunciado ainda esta noite.

Governo confirma colaboração com governo alemão

Entretanto, o Governo português confirmou, em comunicado, que "aceitou a proposta de colaboração do Governo Alemão para reforço da resposta à covid -19", após diversos contactos bilaterais.

O Executivo informa ainda que estima que chegue esta quarta-feira a Portugal "uma equipa de profissionais de saúde militares com competências ao nível da Medicina Intensiva e ainda a cedência de material clínico", como ventiladores, bombas e seringas de infusão.

Os profissionais de saúde vão permanecer em Portugal durante três semanas, "estando prevista a sua substituição a cada 21 dias, até ao final de março, caso seja necessário", esclarece o Governo, lembrando que "na primeira vaga da pandemia, a Alemanha disponibilizou o seu apoio a vários estados europeus".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG