O Jogo ao Vivo

Pandemia

Índice de transmissão cai em dia com um morto e 220 casos de covid-19

Índice de transmissão cai em dia com um morto e 220 casos de covid-19

A covid-19 foi associada a uma morte nas últimas 24 horas, período no qual foram reportados 220 novos casos da doença. Índice de transmissibilidade desceu de 1,05 para 1.

Portugal soma 831221 casos de covid-19 desde o início da pandemia, período no qual foram registadas 16946 mortes, contando já com um óbito e 221 novos casos da doença reportados no Boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), desta segunda-feira.

O total de casos representa uma quebra para metade em relação aos 441 reportados no domingo e, também, uma queda, menos 51, se comparado com os 271 da segunda-feira da semana passada, dia em que foram registados dois óbitos.

Como é habitual, o primeiro dia útil da semana é também de atualização da matriz de risco, o quadro verde, amarelo e vermelho que orienta as decisões do Governo em matéria de confinamento.

Segundo a DGS, o índice de transmissibilidade, R(t), desceu de 1,05, na sexta-feira, para 1,0 esta segunda-feira. Descontando as ilhas dos Açores e Madeira, a alteração foi de 1,04 para o mesmo 1,0. É a segunda descida seguida daquele parâmetro, que já tinha diminuído de 1,06 e 1,04, respetivamente, de quarta para sexta-feira.

A taxa de incidência, que era de 71,6 casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100 mil habitantes na sexta-feira, a nível nacional, subiu para 71,8. No continente, sem contar com os dados de Açores e Madeira, a subida é de 68 para 68,1. Neste parâmetro, houve uma inversão, com uma ligeira subida, após a descida notada de quarta para sexta-feira da semana passada.

PUB

R(t) acima de um e taxa de incidência nos 120/100 mil habitantes podem levar à alteração das medidas de confinamento, mas a semana em que começa a terceira fase de desconfinamento arranca com tendência de alívio nos parâmetros determinantes para a vida em sociedade.

Num dia com apenas um óbito, o registo mais baixo desde 30 de agosto, a nota dissonante ouve-se dos hospitais. O número de pessoas internadas aumentou para 454 (mais 26), sendo que 112 são considerados doentes graves, mais três que no domingo.

Como termo de comparação, da última vez que morreu apenas uma pessoa por doença associada à covid-19, no penúltimo dia de agosto de 2020, havia 341 doentes hospitalizados, 41 em unidades de cuidados intensivos.

Num dia com mais 547 recuperados (789216 no total), o total de casos ativos caiu para 25059, menos 328 do que no domingo. Os contactos em vigilância são mais agora 20823 (mais 111).

A única vítima mortal, uma mulher com mais de 80 anos, residia nos Açores, a zona de Portugal menos afetada pela covid-19, registando 4554 casos (mais 14 nas últimas 24 horas) e 31 óbitos desde o início da pandemia.

Na Madeira, com mais 15 casos, o acumulado subiu para 8994 desde março de 2020, período no qual foram registadas 68 mortes.

A Região Norte, com 97 novos casos, é a região com mais infeções reportadas no país pelo oitavo dia consecutivo. É, também, a mais afetada pela pandemia, com 333832 testes positivos registados desde março de 2020, dos quais resultaram 5330 óbitos.

A Região de Lisboa e Vale do Tejo, a mais castigada pela mortalidade associada à covid-19, perdeu 7185 vidas desde o início da pandemia, embora tenha registado, esta segunda-feira, o segundo dia sem vítimas mortais em menos de uma semana, algo que não acontecia desde 20 de junho no entorno da capital. Somou 56 novos casos, a cifra mais baixa de 16 de agosto, tendo um acumulado de 314733 infeções desde o início da pandemia.

A sul do Tejo, em dia de acalmia de números, o Alentejo somou nove casos (29568 e 970 mortes desde o início da pandemia) e o Algarve cinco (21391 e 356 óbitos).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG