INEM

INEM admite falta de operacionalidade de viaturas médicas

INEM admite falta de operacionalidade de viaturas médicas

O presidente do INEM reconheceu, esta quarta-feira, que existe inoperacionalidade nas viaturas de emergência rápida devido à falta de pessoal, mas refutou responsabilidades do instituto nesta matéria, assegurando ter cumprido todas as competências que lhe estão atribuídas.

Na comissão parlamentar de Saúde, Miguel Soares de Oliveira falou do protocolo de colaboração entre o INEM e os hospitais, especificando que ao primeiro compete dar formação, disponibilizar equipamentos e viaturas, e o segundo assegurar a existência de médicos.

Contudo, acrescentou que nem todas as Viaturas Médicas de Emergência Rápida (VMER) estão 100% operacionais.

"Ou o INEM forma poucos médicos ou os hospitais disponibilizam poucos, porque o principal problema é a falta de pessoal", afirmou, acrescentando logo de seguida que "do ponto de vista da capacidade formativa" o INEM está "muito acima".

A falta de tripulação médica, que origina os elevados períodos de inoperacionalidade de algumas VMER, não tem origem na falta de formação fornecida pelo INEM a estes profissionais, segundo o instituto.

Actualmente o INEM dispõe de 42 VMER em todo o país, mas no primeiro semestre deste ano 22 estiveram inoperacionais cerca de dois por cento do seu tempo e nove estiveram inoperacionais entre dois e dez por cento do seu tempo.

A falta de tripulação é o principal motivo de inoperacionalidade, sendo que a escala da tripulação destes meios é da responsabilidade do hospital onde se encontra inserida, afirma o INEM.

PUB

Os dados do instituto revelam que os 755 médicos formados pelo INEM dariam para assegurar uma operacionalidade de cem por cento de cerca de 126 VMER, o que "demonstra que o actual modelo de funcionamento está esgotado e é necessário alterar o seu paradigma".

Por isso, Miguel Soares de Oliveira defende que a "melhor solução" é a integração das equipas de VMER nos serviços de urgência dos hospitais, mas não explicou por que é que isso ainda não acontece.

À semelhança do que está a ser desenvolvido para as ambulâncias de Suporte Imediato de Vida (SIV) que estão a ser integradas nos Serviços de Urgência Básica (centros de saúde), é prioridade do INEM integrar as VMER nos serviços de urgência dos hospitais em que se encontram inseridas.

"Desta forma tornar-se-á possível partilhar recursos, reduzir custos e garantir a operacionalidade das VMER a cem por cento", disse.

Miguel Soares de Oliveira referiu ainda o registo clínico electrónico e o sistema de geo-referenciação e navegação que já estão disponíveis nas viaturas do INEM.

Estes meios informáticos que funcionam em rede cortam em tempo vital para atendimento dos doentes, afirmou, especificando que basta ligar o computador quando se entra na ambulância.

O registo clínico electrónico permite passar automaticamente a informação recolhida no CODU (centro de atendimento das chamadas de emergência do INEM) para os meios no terreno, o imediato registo clínico do incidente de forma electrónica e o envio da informação recolhida no local para o hospital de destino.

Com o mapa de geo-referenciação, a rota até ao local onde está a vítima é automaticamente traçada, tal como o seu caminho até ao hospital de destino.

Miguel Soares de Oliveira adiantou que o próximo objectivo é equipar com estes computadores as ambulâncias dos bombeiros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG