Saúde

Infarmed aprova comparticipação para tratamento inovador da enxaqueca

Infarmed aprova comparticipação para tratamento inovador da enxaqueca

O Infarmed aprovou a comparticipação de terapêuticas inovadoras no tratamento de doentes de enxaquecas, que não respondem aos tratamentos tradicionalmente disponíveis. Serão destinados a doentes com tenham pelo menos quatro dias de enxaqueca por mês.

A comparticipação foi deferida para terapêuticas com recurso aos designados anticorpos monoclonais Aimovig (Erenumab) e Ajovy (Fremanezumab). Destinam-se a tratamento profilático da enxaqueca em adultos que tenham pelo menos quatro dias de enxaqueca por mês e que não tenham tido resultados positivos com três terapêuticas "convencionais".

Para ter acesso à respetiva comparticipação, os doentes têm que ser seguidos em consulta da especialidade num hospital público (Serviço Nacional de Saúde) e ter a respetiva prescrição médica. Ou seja, quem não está a ser seguido pela especialidade de neurologia num hospital público terá que solicitar a um médico de família a marcação de consulta da especialidade num hospital do SMS.

Estes dois tratamentos estavam já disponíveis em hospitais privados, mas aqui continuam a ter que ser pagos na totalidade pelos pacientes.

O "Erenumab", produzido pela farmacêutica Novartis, tinha já sido aprovado pela Agência Europeia do Medicamento em 2018, mas só agora é comparticipado em Portugal, (Foi deferido no passado dia 27 de janeiro), depois de um primeiro indeferimento do Infarmed a oito de fevereiro de 2019. É autoadministrado uma vez por mês com uma caneta auto injetora. Anuncia reduzir para metade o número médio de dias por mês que os doentes sofrem de enxaquecas.

A enxaqueca afeta cerca de 1,5 milhões de portugueses. Estima-se que, na Europa, os custos relacionados com a enxaqueca atinjam os 27 milhões de euros.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG