Desigualdade

Instituto Nacional de Estatística está a rever base de dados de género

Instituto Nacional de Estatística está a rever base de dados de género

O Instituto Nacional de Estatística (INE) está a rever a base de dados de género, um trabalho que estará concluído em 2022 e que se assume como um projeto ambicioso e decisivo na definição de políticas públicas.

O seminário de apresentação do projeto sistema estatístico nacional sobre igualdade de género decorre durante esta quarta-feira, sendo um trabalho que tem como objetivo rever a Base de Dados de Género do INE para disponibilizar um sistema de informação abrangendo várias dimensões da desigualdade entre homens e mulheres.

Além da revisão da base de dados, o projeto inclui a realização de um inquérito à fecundidade e o desenvolvimento de um relatório sobre a metodologia a adotar num futuro inquérito ao uso do tempo.

Sérgio Bacelar, técnico superior do INE, explicou que o dossier de género já existe há algum tempo e que o objetivo da revisão que está a decorrer é o atualizar o conteúdo da base de dados, aumentando a abrangência e, se possível, aumentando a desagregação territorial dos indicadores para acompanhar as medidas de política, nomeadamente a estratégia para a igualdade e não discriminação 2018-2030.

Segundo o responsável, é preciso que se mantenha a comparabilidade dos dados, ao mesmo tempo que se identificam lacunas e se pensa em melhorias face à situação atual, revelando que o fim do projeto só está previsto para julho de 2022.

A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, que esteve no encerramento da sessão da manhã, apontou que se trata de um projeto ambicioso e decisivo para a definição de políticas públicas e defendeu que a revisão da base de dados era urgente.

"Este projeto tem potencial transformador muito forte e muito promissor. Articula-se de forma muito estreita com as nossas políticas públicas nacionais, mas também com aquilo que são as orientações internacionais nestas matérias", sublinhou Rosa Monteiro.

PUB

Na opinião da secretária de Estado, trata-se de um projeto que faz ainda mais sentido em contexto de crise pandémica, já que foi demonstrada a importância de haver dados estatísticos rigorosos em matéria de igualdade entre homens e mulheres.

Rosa Monteiro sublinhou que a urgência desta ferramenta também é justificada pelo facto de a Comissão Europeia ter determinado aos Estados membros que incluam nos seus planos nacionais de recuperação e resiliência perspetiva de género.

"Isto só se faz se tivermos dados desagregados e conseguirmos monitorizar impactos da crise e das medidas de política pública no combate a estas desigualdades de género", disse, apontando que são precisos dados administrativos desagregados e informação estatística rigorosa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG