Saúde

Instituto Português do Sangue apela à dádiva de sangue O negativo

Instituto Português do Sangue apela à dádiva de sangue O negativo

O Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST) anunciou, na quarta-feira, que as reservas de sangue do tipo zero negativo (O negativo) estão em baixa, realizando um apelo à dádiva.

No site do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o IPST fez um ato de sensibilização para chamar novos dadores. Este é um procedimento que fazem com frequência "nas duas épocas sazonais em que se regista baixa de dádivas: no inverno, durante os surtos gripais, e no verão, coincidindo com o período de férias", explicou o instituto.

Estas ações de sensibilização fazem parte das promoção da dádiva. "A nível nacional, as reservas de sangue estão estáveis, encontrando-se entre 5 e 7 dias para os diferentes grupos sanguíneos negativos (A-, B-, AB-), exceto para os zero negativos (0Rh-) que se encontra até 4 dias", esclareceu o IPST.

O número de dadores e o número de dádivas variam ao longo do ano, o que pode ter impacto num ou noutro grupo sanguíneo de forma aleatória. Ainda assim, "a suficiência das reservas é acautelada, com as colheitas realizadas diariamente em todo o país pelo IPST e pelos hospitais que têm colheita de sangue, para que não haja ruturas de abastecimento".

Segundo esclarece o instituto, Portugal é autosuficiente em sangue e nos seus componentes, com uma taxa de 32 dádivas por 1000 habitantes e de transfusão de concentrado de eritrócitos de 30 por 1000 habitantes.

A faixa etária com maior número de dadores situa-se entre os 25 e os 44 anos. Os jovens entre os 18 e os 24 anos representavam em 2017, 14,35% do total dos dadores.