Premium

Acesso a medicamentos inovadores leva mais de 21 meses

Acesso a medicamentos inovadores leva mais de 21 meses

O tempo de espera dos utentes em Portugal é cinco vezes mais longo do que na Alemanha, totalizando 119 dias. O Infarmed deve deixar de decidir preços dos medicamentos, recomenda o Observatório dos Sistemas de Saúde.

Os doentes portugueses esperam mais de 21 meses para terem acesso à inovação terapêutica, cinco vezes mais do que os alemães, os cidadãos da União Europeia com acesso mais rápido a fármacos inovadores. Os dados constam do Relatório de Primavera (RP) 2019, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, que recomenda a independência do Infarmed face ao Ministério da Saúde como solução para aumentar a eficiência e transparência dos processos.

Estudos de 2017 e 2018, feitos pela associação europeia da indústria farmacêutica, citados no RP 2019, evidenciam assimetrias na velocidade de introdução terapêutica na União Europeia, e Portugal surge nos últimos lugares. Nos anos a que reportam os estudos (2014-2016 e 2015-2017), o tempo para acesso a fármacos inovadores dos doentes portugueses foi de 637 e 634 dias, respetivamente.