Floresta

Estado não arranja quem queira trabalhar a limpar e vigiar matas

Das vagas abertas para assistentes operacionais nem metade foi preenchida

Foto Filipa Bernardo/ Global Imagens

O Estado está a deparar-se com dificuldades inesperadas na contratação de pessoal para limpeza e vigilância das florestas e matas nacionais.

Alguns dos concursos abertos têm ficado desertos e outros têm recebido um número de candidaturas muito abaixo do total de vagas a preencher.