Solidariedade

"Heat the Street": Casacos para aquecer quem precisa em Lisboa

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer” é o que se pode ler nas etiquetas penduradas nas roupas

Foto "heat The Street"

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer” é o que se pode ler nas etiquetas penduradas nas roupas

Foto "heat The Street"

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer” é o que se pode ler nas etiquetas penduradas nas roupas

Foto "heat The Street"

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer” é o que se pode ler nas etiquetas penduradas nas roupas

Foto "heat The Street"

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer” é o que se pode ler nas etiquetas penduradas nas roupas

Foto "heat The Street"

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer” é o que se pode ler nas etiquetas penduradas nas roupas

Foto "heat The Street"

Na próxima sexta-feira, a Avenida da Liberdade, em Lisboa, vai tornar-se num bengaleiro gigante com agasalhos pendurados para quem precisa, através do movimento "Heat the Street".

Entre as 17 e as 24 horas de sexta-feira, quem quiser levar agasalhos - casacos, camisolas, calças, mantas e/ou acessórios quentes - que já não utilize, para serem livremente recolhidos por quem necessita, pode pendurá-los ao longo da Avenida da Liberdade (a partir do Hard Rock Café / antigo Cinema Condes), na "corda mais quente".

A roupa, refere em comunicado o movimento "Heat the Street", deverá ser devidamente marcada com as etiquetas que estão na página de Facebook: "Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer". No local, além de chá quente para quem chega, estarão algumas voluntárias, que vão distribuir etiquetas e ajudar a pendurar os agasalhos por tamanhos e secções: feminina/masculina e de criança, assim como ajudar quem vem recolher a encontrar o que precisa.

As peças de roupa que não forem retiradas da corda serão recolhidas pela Associação de Intervenção Comunitária Crescer, cuja missão é promover a saúde, a redução de riscos e a inclusão da pessoa em situação de vulnerabilidade, através de projetos de intervenção na comunidade.