Parlamento

Universidades sem dinheiro para concursos de contratação

Cruz Serra estima que faltam 100 milhões de euros ao sistema

Foto Gerardo Santos / Global Imagens

Falta dinheiro às universidades para lançarem concursos de contratação, defendeu esta quarta-feira o reitor da Universidade de Lisboa, António Cruz Serra, na Comissão Parlamentar de Educação.

António Cruz Serra estima que falte ao sistema universitário "100 milhões de euros" para se cumprir a aplicação do decreto-lei que regula a contratação de doutorados e que esta quarta-feira será alvo de apreciação no Parlamento.

Os reitores foram, aliás, ouvidos em audiência por causa dos pedidos de apreciação apresentados pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP. O CDS-PP entregou um projeto de lei que pretende alterar o diploma. Sendo que o PSD também faz críticas ao diploma publicado em agosto, o Governo pode ficar isolado, pela segunda vez esta semana, no Parlamento.

"Desde 2009 a Universidade de Lisboa perdeu mil trabalhadores em 6000, sendo 500 professores", revelou Cruz Serra, defendendo que a precariedade se deve a questões orçamentais e legislativas. "Ou seja, questões que se resolvem nesta casa". O reitor da Universidade de Lisboa (UL) alertou para o "perigosíssimo" nível de envelhecimento do corpo docente e propôs aos deputados que alargassem a abrangência do decreto à contratação de professores e não só investigadores.

O presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) sublinhou que as universidades só podem abrir concursos "se tiverem cabimento orçamental para o fazerem" e que o acréscimo de despesa terá sempre de ser acompanhado de reforço das dotações.

Já para o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) o diploma é "um avanço" e "uma oportunidade" para os institutos conseguirem reforçar o seu corpo de investigadores. Nuno Mangas admitiu fazer uma análise diferente dos reitores por ser residual a quantidade de bolseiros investigadores nos politécnicos abrangidos pelas normas transitórias do decreto.