Papa

Ateus veem tolerância de ponto como "ataque à laicidade" do Estado

Ateus veem tolerância de ponto como "ataque à laicidade" do Estado

A Associação Ateísta Portuguesa (AAP) disse, esta quinta-feira, que a decisão do Governo de conceder tolerância de ponto aos funcionários públicos, no primeiro dia da visita do papa a Fátima, é "um descarado ataque à laicidade" do Estado.

Essa medida "é uma atitude indigna de submissão perante a Igreja Católica", disse o presidente da AAP, Carlos Esperança, à agência Lusa.

O dirigente ateísta rejeitou ainda "a caução que, de certo modo, está a ser feita pelas entidades públicas a uma encenação que começou por ser contra a República", numa alusão ao fenómeno registado em Fátima, concelho de Ourém, entre maio e outubro de 1917, e que a Igreja veio a classificar como aparições da Virgem Maria a três crianças - Lúcia, Jacinta e Francisco - que apascentavam ovelhas.

Em 1930, as alegadas aparições "passaram a ser contra o comunismo e, depois da implosão da União Soviética, contra o ateísmo", salientou Carlos Esperança.

"Esta encenação pia tem tido a colaboração de autarquias que sofrem ataques de fé e proselitismo em anos eleitorais", criticou.

Para o presidente da AAP, a concessão de tolerância de ponto nos serviços públicos a 12 de maio, dia em que o papa Francisco chega a Portugal para o centenário das chamadas aparições de Fátima, põe em causa "a letra e o espírito da Constituição da República" e constitui "uma traição à separação entre as igrejas e o Estado".

Carlos Esperança criticou ainda os autarcas que organizam excursões a Fátima, sobretudo com idosos e em ano de eleições locais, "com transportes e vitualhas" pagos por câmaras municipais e juntas de freguesia, "só com a bênção a cargo das autoridades eclesiásticas".

O papa Francisco visita Fátima, a 12 e 13 de maio, para canonizar os dois pastorinhos Jacinta e Francisco no centenário das "aparições" na Cova da Iria, em 1917.

O papa tem também encontros agendados com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e com o primeiro-ministro, António Costa.

Imobusiness