Resgate

Sete pescadores salvos ao fim de três dias desaparecidos na Madeira

Sete pescadores salvos ao fim de três dias desaparecidos na Madeira

Os sete pescadores do atuneiro Sete Mares, que esteve incontactável desde quarta-feira de manhã, já estão no Funchal e dizem que uma forte ondulação acabou por afundar a embarcação.

Mestre Gregório, o responsável da embarcação, contou à Lusa que faziam a pesca do atum a 12 milhas da Ponta do Pargo, na zona oeste da ilha da Madeira, quando foram surpreendidos por "uma onda com quatro a cinco metros" e o barco "foi ao fundo".

O pescador que anda "há 43 anos no mar" salientou que "a ondulação estava muito forte" e que tudo aconteceu cerca das 9.15 horas da madrugada de quarta-feira. Mencionou que "não deu tempo para nada", nem para utilizar os meios de socorro, apenas para "lançar a balsa", que até caiu "ao contrário" no mar, tendo um pescadores conseguido voltá-la. "Três ficaram dentro e os outros lançaram-se ao mar", referiu, adiantando que estiveram na balsa durante "quatro dias e três noites".

Ao final da tarde de hoje, a Marinha avançava a informação de que os sete pescadores tinham sido resgatados e que se encontram bem.

O mestre da embarcação de pesca criticou o facto de balsa não estar devidamente apetrechada com água, mantimentos e elementos de localização suficientes.

O Sete Mares era um atuneiro com cerca de 13 metros e naufragou ao largo do Funchal.

Os pescadores são todos da Madeira, um do Machico e seis do Caniçal. Entre estes, há três irmãos, o mestre da embarcação, um pescador experiente, o irmão do meio e o mais novo, de 26 anos, o "benjamim" da tripulação.

Os pescadores foram resgatados e conduzidos até ao Funchal pela lancha rápida da Marinha Portuguesa Hidra e a aguardá-los, no porto do Funchal, estavam familiares e elementos da Equipa Médica de Intervenção Rápida (EMIR) que fizeram uma reavaliação do seu estado de saúde. Também estavam o comandante da Zona Marítima da Madeira, o secretário regional da Agricultura e Pescas e o diretor das Pescas da Madeira.

Depois do alerta de que a embarcação não estabelecia qualquer comunicação com o armador há três dias, foi desencadeada sexta-feira uma operação de busca e salvamento que envolveu dois meios da Marinha, a lancha Hidra e o navio-patrulha Tejo.

Hoje, os meios foram reforçados com o avião da Força Aérea do Aeródromo do Porto Santo, que acabou por detetar a balsa com os pescadores. "Não nos largou até chegarem os barcos", declarou mestre Gregório.

Localizados por um um avião C295 da Força Aérea Portuguesa

"Foram localizados por uma aeronave da Força Aérea Portuguesa. Neste momento, uma embarcação da Marinha está já junto da balsa para proceder ao resgate", disse ao JN o porta-voz da Marinha, o comandante Fernando Fonseca, às 17 horas deste sábado.

Segundo a Força Aérea Portuguesa, a balsa foi localizada cerca das 16 horas, a 68 milhas a sudoeste de Porto Santo. "A informação que temos é de que os sete tripulantes estão todos a bordo da balsa", disse ao JN o porta-voz da Força Aérea, o tenente-coronel Manuel Costa.

As buscas começaram pela manhã, com o C295 da Força Aérea Portuguesa a descobrir a balsa após oito horas de voo, em busca do atuneiro que estava sem dar sinais há três dias. "A aeronave ainda se manteve no local durante algum tempo, mas agora será a Marinha a levar os pescadores para o Funchal", acrescentou Manuel Costa.