Farmácias

Bastonários pedem soluções para falta de medicamentos

Bastonários pedem soluções para falta de medicamentos

Os bastonários das ordens dos Farmacêuticos e dos Médicos denunciaram problemas na via verde do medicamento e pediram esta manhã de sexta-feira mais empenho ao Ministério da Saúde e ao Infarmed para resolver o problema da falta de fármacos nas farmácias.

Ana Paula Martins e Miguel Guimarães juntaram-se na farmácia Vitória, no Porto, para assinarem uma petição para salvar as farmácias e garantir o acesso dos doentes aos medicamentos.

"Faltam medicamentos para os diabéticos e para o Parkinson. A via verde do medicamento não está a funcionar da melhor forma", denunciou a bastonária dos farmacêuticos, reforçando o pedido já feito ao Infarmed e ao Ministério da Saúde para que intervenham com mais força junto da indústria farmacêutica.

Ana Paula Martins alertou que uma em cada quatro farmácias está em situação de insolvência, num total de 675, ou seja, "correm o risco de fechar", o que também compromete a dispensa de medicamentos por todo o país.

"O acesso dos doentes aos medicamentos está mais uma vez em risco, as farmácias estão em grandes dificuldades e a via verde do medicamento não está a resolver os problemas", corroborou o bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães.

O diretor técnico da farmácia Vitória, Rui Romero, explicou o sentimento de frustração dos farmacêuticos que não têm os medicamentos que os doentes procuram. As falhas mais prementes são de antidiabéticos orais e algumas insulinas mais recentes, adiantou.

Rui Romero acredita que as farmacêuticas estão a optar por "um canal exterior que será mais vantajoso". " Não compensa às farmacêuticas vender cá. Estamos a falar de medicamentos de preço elevado para nós, mas que se vendem muito mais caros lá fora. Portugal paga mal à indústria farmacêutica", referiu.