Debate quinzenal

BE reitera que Carlos Costa "não tem condições para continuar"

BE reitera que Carlos Costa "não tem condições para continuar"

A líder do Bloco de Esquerda defendeu, esta quarta-feira, que o Banco de Portugal não está isento de críticas e que Carlos Costa não pode manter-se como governador da instituição.

"O Banco de Portugal (BdP) não está acima de crítica e criticá-lo não é atentar quanto à sua independência", disse Catarina Martins no debate quinzenal no Parlamento, respondendo às acusações que o PSD tem feito ao BE de desestabilização do BdP. "Critica-se porque foi incapaz de mostrar a sua independência. Não foi independente dos banqueiros nem do anterior Governo", acrescentou.

Apesar de Carlos Costa já ter mostrado à Assembleia da República disponibilidade para explicar a supervisão feita pela instituição no caso BES, Catarina Martins disse que o governador "não terá condições para sossegar os portugueses". "Por isso é que não tem condições para continuar", frisou.

Em resposta à líder bloquista, o primeiro-ministro apontou que "o PSD toma rapidamente as dores sobre reportagens", aludindo ao trabalho da SIC sobre o acompanhamento do escândalo BES pelo BdP, e lembrou que o Governo de Passos Coelho reconduziu Carlos Costa "apesar de tudo o que tem vindo a público".

Costa admitiu que "há uma questão com o Banco de Portugal" e que o Executivo PS tenta "fazer aquilo que qualquer Governo deve fazer: trabalhar com o banco". Sendo que, salientou, há "uma relação institucional correta" entre o Governo e o BdP, como o governador assumiu numa entrevista ao "Público".

Refira-se que, já na fase final deste debate, a deputada dos Verdes, Heloísa Apolónia, também apontou que "este governador do Banco de Portugal não tem condições para continuar", "tal a gravidade de sequência e de falhas na supervisão" que ocorreram nos vários casos de colapsos bancários nos últimos anos.

Imobusiness