Função Pública

Bombeiros profissionais com adesão elevada à greve, diz sindicato

Bombeiros profissionais com adesão elevada à greve, diz sindicato

A associação e o sindicato dos bombeiros profissionais indicaram hoje que a adesão à greve da função pública desta classe regista "números elevados" no primeiro dia.

A Associação Nacional de Bombeiros Profissionais e o Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP/SNBP) aderiram à greve da função pública que se realiza hoje e na sexta-feira devido "ao impasse das negociações" com o Governo sobre as carreiras, aposentação e vencimentos.

A ANBP e o SNBP adiantam que os bombeiros sapadores e os municipais estão em greve desde o início dos turnos, registando-se "números elevados" em todo o país.

Segundo a ANBP/SNBP, no Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa a adesão à greve nos dois turnos foi de 90%, ficando alguns quartéis perto dos 100%, enquanto nos sapadores de Coimbra se registou uma adesão entre os 85 e 95%.

Nos bombeiros municipais da Figueira da Foz, a adesão à greve registou uma adesão de 100%, número idêntico nos municipais de Loulé.

A ANBP/SNBP indica ainda que a adesão à greve nos municipais de Olhão foi de 85%.

Em causa está o novo estatuto profissional que regula a carreira especial de sapador bombeiro e de oficial sapador aprovada na generalidade pelo Governo a 25 de outubro de 2018, bem como o novo regime de aposentação.

Esta proposta do Governo cria uma carreira unificada para os bombeiros municipais e sapadores e novas tabelas remuneratórias, além de integrar os operacionais da Força Especial de Bombeiros e os trabalhadores do Instituto de Conservação Natureza e das Florestas (ICNF) que desempenham funções de sapador florestal.

A ​​​​​​​ANBP e o SNBP contestam o facto de o Governo querer profissionalizar os bombeiros, mas com "ordenados baixos" e uma "desvalorização das carreiras".