Assalto

CDS quer confrontar ministro com "informação incorreta" sobre Tancos

CDS quer confrontar ministro com "informação incorreta" sobre Tancos

O CDS-PP quer confrontar, terça-feira, o ministro da Defesa com o que considera "informação incorreta" prestada ao parlamento sobre o material roubado há um ano em Tancos, depois de o "Expresso" ter divulgado que ainda há material por encontrar.

Em declarações à Lusa, o deputado do CDS-PP e coordenador do partido na Comissão de Defesa, João Rebelo, disse que o partido "acompanha o comunicado do Presidente da República, em que este manifesta preocupação", mas, sobretudo, diz-se estupefacto com o que, segundo o "Expresso", é referido pelo Ministério Público.

Segundo o semanário, os procuradores do Ministério Público salientam num recurso que, "ao contrário do que tinha sido veiculado pelo Exército e pelo Ministério da Defesa", ainda existe material que não foi recuperado do furto em Tancos, detetado em 28 de junho do ano passado.

O jornal salienta que em causa estão granadas e explosivos, referindo que o Ministério Público considera que "a segurança nacional está em perigo enquanto os assaltantes não forem capturados".

"Quando temos informação de que ainda há granadas à solta e a informação que foi prestada à Assembleia da República e à Presidência da República é uma informação que não está correta, ficamos muito preocupados sobre o verdadeiro acompanhamento que está ser feito deste caso pelo Exército", afirmou João Rebelo.

O CDS-PP espera que "ainda hoje" o Ministério da Defesa e o Exército se pronunciem. "Caso os esclarecimentos não sejam satisfatórios, [o partido] não fecha a porta a uma comissão de inquérito", revelou fonte do partido ao JN.

De qualquer forma, os democratas-cristãos prometem confrontar, na terça-feira, o ministro Azeredo Lopes com esta notícia, numa audição parlamentar marcada com o objetivo de apresentar as conclusões da cimeira da NATO, que decorreu quarta e quinta-feira em Bruxelas.

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reafirmou na sexta-feira à noite "a exigência de esclarecimento cabal" do ocorrido com o desaparecimento de armamento em Tancos, há um ano, e manifestou "preocupação".

Numa nota publicada na página oficial da Presidência da República, após ter sido divulgada a notícia do jornal "Expresso", Marcelo Rebelo de Sousa diz que reafirma essa exigência de esclarecimento "de modo ainda mais incisivo e preocupado".

Segundo João Rebelo, as informações prestadas ao parlamento, quer através do Chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, quer do Governo, "foram taxativas" no sentido de que todo o material furtado, à exceção de algumas munições de 9 milímetros, tinha sido recuperado.

O furto de material militar de Tancos - instalação entretanto desativada - foi detetado a 28 de junho durante uma ronda móvel, pelas 16.30 horas, por um sargento e um praça ao serviço do Regimento de Engenharia 1.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e grande quantidade de munições.

A 18 de outubro passado, a Polícia Judiciária Militar recuperou, na zona da Chamusca, quase todo o material militar que tinha sido furtado da base de Tancos no final de junho, à exceção das munições de 9 milímetros.

Contudo, entre o material encontrado, num campo aberto na Chamusca, num local a 21 quilómetros da base de Tancos, havia uma caixa com cem explosivos pequenos, de 200 gramas, que não constava da relação inicial do que tinha sido roubado, o que foi atribuído pelo Exército a falhas no inventário.

ver mais vídeos