Congresso CDS-PP

Nádia Piazza e Pedro Mexia no grupo de coordenação do programa eleitoral

Nádia Piazza e Pedro Mexia no grupo de coordenação do programa eleitoral

A presidente do CDS-PP anunciou que o programa eleitoral será elaborado por um grupo de trabalho coordenado por Adolfo Mesquita Nunes, com seis militantes e dois independentes, Pedro Mexia e Nádia Piazza.

Na sua primeira intervenção perante o 27-º Congresso do CDS, em Lamego, no distrito de Viseu, a líder centrista propôs "um método" para preparar "o caminho para as próximas eleições legislativas" de 2019, nas quais quer ser "a primeira escolha dos portugueses".

O grupo designado "Portugal.com futuro" é constituído por seis militantes: Ana Rita Bessa, Mariana França Gouveia, Francisco Mendes da Silva, João Moreira Pinto, Graça Canto Moniz e Jorge Teixeira e dois independentes, o poeta e ensaísta Pedro Mexia, que é consultor do presidente da República para a cultura, e Nádia Piazza, da associação das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

"É um grupo sub-45, que saberá integrar os contributos dos nossos senadores. São mulheres e homens com várias experiências profissionais e políticas, de várias regiões do país, do Porto ao Barreiro, passando por Viseu, Covilhã, Leiria ou Lisboa. Tenho a certeza que, com a coordenação do Adolfo, vão fazer um trabalho extraordinário", afirmou.

Este grupo irá "reunir, selecionar e dar um corpo sistemático aos elementos que são trabalhados nos vários pilares de ação do partido: gabinete de estudos, grupo parlamentar, 'Ouvir Portugal' conferências, 'Ouvir Portugal' rua e ainda, naturalmente, todos os contributos das estruturas distritais, concelhias, Senado e organizações autónomas, como a JP ou a Federação dos Trabalhadores Democratas-Cristãos".

O programa eleitoral, disse, estará atento aos "três eixos centrais" da sua moção ao Congresso: "demografia, território e nova economia".

"Há que trabalhar para construir o futuro de uma sociedade que respeita todos, dos mais novos aos mais idosos, que protege as situações de maior fragilidade e não descarta os doentes em fim de vida, antes acarinha e elimina o sofrimento e se afasta definitivamente da eutanásia", defendeu.

Esse programa terá também como horizonte "uma sociedade onde o Estado garante a prestação de serviços públicos, muitas vezes em rede com os outros setores, num verdadeiro Estado social de parceria; um país onde há coesão territorial e a valorização de todo o território", incluindo o mar.

"Eu acredito que nós somos o partido que prepara o futuro. E sei que se trabalharmos bem veremos os resultados. Eu sei que seremos bem-sucedidos se mostrarmos que estamos preparados para sermos uma alternativa às esquerdas unidas, ou, como um senador oportunamente observava, às esquerdas encostadas, que ora se encostam, ora ameaçam desencostar", declarou.

ver mais vídeos