Ciência

Cerca de 300 laboratórios científicos vão receber perto de 400 milhões de euros

Cerca de 300 laboratórios científicos vão receber perto de 400 milhões de euros

Quase 350 laboratórios de investigação científica vão receber um total de mais de 400 milhões de euros entre 2020 e 2030, ao abrigo do financiamento plurianual proposto pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Das 348 Unidades de Investigação e Desenvolvimento (I&D) em Portugal que se candidataram a uma avaliação por peritos internacionais, 64% tiveram avaliação de Excelente ou Muito Bom. A grande maioria funciona em universidades. A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) vai reconhecê-las com 420 milhões de euros para financiar investigação em Portugal.

"São boas notícias", diz Luís Magalhães, coordenador da avaliação, que afirma que "é a confirmação que temos um número elevado de unidades de investigação de grande mérito internacional". Luís sublinha que 103 Unidades de I&D foram classificadas como Excelente. "É 31%. Significa que a maioria dos seus investigadores produz resultados reconhecidos internacionalmente. E os critérios eram exigentes, baseados no que produziram entre 2013 e 2017".

O painel incluiu 224 peritos, de instituições científicas e académicas de 26 países. E avaliou diferentes áreas de investigação, incluindo ciências sociais e artes e humanidades, que segundo Luís estavam "um pouco abandonadas". "Em Portugal tem havido uma melhoria desde há 20 anos. Não só o número de investigadores mais que triplicou, como a sua produção científica se multiplicou por dez. Isto coloca-nos perto do Reino Unido ou Alemanha, quando antes estávamos na cauda da União Europeia".

É o resultado, diz, do investimento público. Uma das conclusões, explica Luís, é que as melhores unidades são aquelas que têm mais investigadores. Entre as candidatas, estavam 58 unidades que nunca tinham sido apoiadas e duplicaram as unidades de institutos politécnicos que serão financiadas. No total, 296 unidades foram classificadas com Excelente, Muito Bom e Bom. A FCT vai atribuir-lhes um financiamento de 420 milhões de euros entre 2020 e 2030. Vai ainda abrir 1600 novas bolsas de doutoramento - num investimento de 106 milhões - e apoiar a contratação de novos investigadores, num total de 400 contratos.

Este tipo de avaliação acontece desde 1996 e é a partir dos seus resultados que a FCT define as Unidades de I&D que serão financiadas.