Educação

Colocados 7.306 professores

Colocados 7.306 professores

As filas dos centros de emprego vão engrossar, esta quarta-feira, quando se inscreverem como desempregados milhares de professores. O comunicado do Ministério da Educação diz quantos professores foram colocados, mas não quantos ficaram de fora.

As listas de colocação de professores serão publicadas pelo Ministério da Educação na tarde desta terça-feira, dia 30, dois dias depois do sucedido no ano passado. Vai começar assim a migração anual de docentes.

O comunicado do Ministério de Tiago Brandão Rodrigues enviado há minutos para as redações indica que este ano foram colocados mais 500 professores do que no ano passado, mas é omisso quanto ao número de docentes sem lugar nas escolas públicas. No ano passado, por esta altura, 24 mil professores viram-se no desemprego.

Agora, mais de sete mil pessoas começarão a fazer malas e procurar casa. Para os contratados, os prazos são apertados: terão 48 horas úteis para aceitar a colocação na plataforma e, depois, 24 horas úteis para se apresentarem na escola. Os professores dos quadros que tenham mudado de escola ou Quadro de Zona Pedagógica (QZP, uma região geográfica) terão cinco dias úteis para se apresentarem ao serviço.

Problemas à organização do ano escolar

Com as aulas a começarem entre os dias 9 e 15 de setembro, a publicação tardia das listas de colocação de professores levanta problemas adicionais de organização do ano escolar, lamentaram diretores de escola, na edicão desta terça-feira do jornal i, que noticiou que várias escolas ponderam já adiar o arranque do ano letivo.

O ministério de Tiago Brandão Rodrigues salienta que as listas foram publicadas no penúltimo dia útil do mês, tal como no ano passado. Mas para os professores, a diferença é significativa: é que, no ano passado, souberam em que escola foram colocados a uma sexta-feira, pelo que tiveram cinco dias para organizarem a vida numa nova cidade (o fim de semana não conta). Este ano, têm três dias para o fazer.

Admitia-se que a divulgação das listas fosse antecipada, até porque este ano não houve Bolsa de Contratação de Escolas (BCE), que permitia a cada escola definir o perfil dos professores que pretendia contratar. Tanto este ano quando no ano passado, a manifestação de preferências para a contratação inicial e reserva de recrutamento tiveram lugar na segunda semana de julho. Mas, em 2015, o concurso para a Bolsa de Contratação de Escolas abriu a 27 de julho. Ou seja, na prática, este ano o processo concursal acabou duas semanas antes do sucedido no ano passado.