Nomeações

"Endogamia" no Governo português chega à imprensa estrangeira

"Endogamia" no Governo português chega à imprensa estrangeira

O jornal espanhol "El País" publicou um extenso artigo sobre a "endogamia política" no governo português, que saiu reforçada desde a última remodelação, em fevereiro, que colocou na mesma mesa do Conselho de Ministros pai e filha.

O diário espanhol que é lido por mais de 65 milhões de pessoas no mundo, juntando leitores do papel e do site, com um peso de 43% de cidadãos residentes na América Latina, refere que se chegou a "um extremo" em Portugal.

"A endogamia política de um país com uma classe dirigente escassa que chega ao extremo de que se sentem no mesmo Conselho de Ministros, um pai e uma filha". Referindo-se, portanto, a José António Viera da Silva e Mariana Vieira da Silva, recentemente empossada ministra.

Esta relação familiar direta vem juntar-se a uma outra com laços de casamento, envolvendo os ministros da Administração Interna e do Mar, Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino. A publicação espanhola sintetiza: não só se sentam pai e filha como marido e mulher no Conselho de Ministros.

Amigo nomeia mulher do melhor amigo

O desfile de ligações familiares inclui ainda as mulheres de Pedro Nuno Santos e Duarte Cordeiro. A mulher do Ministro das Infraestruturas, Ana Catarina Gamboa tornou-se no início do ano chefe de gabinete "do amigo" Duarte Cordeiro enquanto a esposa de Cordeiro, secretário Adjunto dos Assuntos parlamentares, "foi designada para administrar um fundo de 55 milhões recém-criado", pode ler-se no "El Pais".

O irmão de Ana Catarina Mandes, a número dois do PS, está à frente da secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais. O porta-voz do PS, Carlos César, tem o filho com igual tarefa no Governo dos Açores.

Segundo relatos da imprensa portuguesa, publicados esta terça-feira de manhã, Duarte Cordeiro nomeou, a 13 de março, para adjunto Pedro Anastácio, que é filho do deputado do PS Fernando Anastácio, eleito pelo círculo de Faro.

Troca de acusações entre BE e PS, com Rio pelo meio

O líder da oposição, do PSD, Rui Rio, já chamou a atenção para as relações familiares, considerando que pior do que ter familiares no Governo é o PS achar normal.

Marques Mendes, comentador e ex-dirigente do PSD, falou de uma "overdose de familiares do Governo". No entanto, como lembra o "El Pais", também ele tem uma irmã deputada no mesmo partido.

Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, chamou a atenção para "a necessidade de se pensar no assunto para que os cargos públicos não sejam ocupados por um grupo de pessoas com muitas afinidades. A democracia precisa de mais espaço para respirar".

E o PS não tardou a responder, acusando o Bloco de Esquerda de ter "abundantes relações familiares" na bancada parlamentar.