Entrevista

Ferro diz que PS deve ter "panóplia de alternativas" para governar

Ferro diz que PS deve ter "panóplia de alternativas" para governar

O presidente da Assembleia da República considera que o PS não deve colocar a questão da maioria absoluta como tema central e espera que disponha de uma "panóplia de alternativas" da esquerda à direita para governar.

Nesta entrevista à agência Lusa, Ferro Rodrigues defende a importância para o sistema democrático resultante da atual solução política, com um Governo minoritário socialista suportado no parlamento pelo Bloco de Esquerda, PCP e PEV, mas não manifesta qualquer certeza sobre a possibilidade de esta mesma solução se poder repetir na próxima legislatura, fazendo tudo depender dos resultados das próximas eleições.

"O PS possivelmente estará em condições de ter uma panóplia de alternativas à sua disposição para poder governar, continuando a sua governação, como até agora, em diálogo e em trabalho conjunto. Os estudos de opinião, como agora se diz em linguagem politicamente correta, permitem antever que o PS poderá escolher parceiros, ou o parceiro, desde a direita até à esquerda. Isso é bom para o país e bom para o primeiro-ministro", António Costa, declarou.

Questionado sobre a possibilidade de o PS alcançar uma vitória com maioria absoluta nas próximas eleições legislativas, Ferro Rodrigues recusou-se a fazer o papel de analista político. "Aquilo que sei é que todos os partidos, em última análise, vão querer ter maioria absoluta. O que seria anormal e um absurdo era os dirigentes do PS pedirem aos eleitores para não votarem no PS para não terem maioria absoluta", observou.

No entanto, no plano estratégico, o antigo líder socialista e ministro dos dois governos liderados por António Guterres deixou um recado à direção do seu partido.

"Acho que o PS não deve colocar essa questão [da maioria absoluta] como central na campanha, mas também não pode levar a que os eleitores do PS, que tenham gostado muito desta solução política, como é o meu caso, façam apelos para que não se vote no partido. Isso levado até ao infinito e ao absurdo levaria a que ninguém votasse no PS", apontou.

Neste tema, o presidente da Assembleia da República sustentou que "a centralidade do parlamento", que considerou ter-se verificado a partir desta legislatura, teve uma consequência muito concreta, porque "significa que as maiorias, ou a maioria que se estabeleça na Assembleia da República, é aquela que é determinante para a formação de um próximo Governo".

O antigo líder do PS entre 2002 e 2004 advogou que, nesta legislatura, se quebrou "um tabu, segundo o qual só havia possibilidade de soluções ou de maioria absoluta de um partido ou de soluções que passassem por entendimentos com o centro e com a direita".

"Quebrou-se o tabu de que era impossível um entendimento do PS com outras forças de esquerda para durar uma legislatura. Isso também significa que alguns partidos deixaram de se considerar a si próprios como partidos meramente de protesto e passaram a considerar-se a si próprios como partidos que podem ter um protagonismo de Governo", referiu.

E, numa alusão indireta ao Bloco de Esquerda, PCP e PEV, Ferro Rodrigues colocou mesmo uma hipótese de evolução do sistema político português a médio ou longo prazo: "E imaginar daqui a 20 ou 30 anos que esses partidos podem estar com outros em vez de aliados com o PS", sugeriu. "Portanto, o que se passou nesta legislatura foi uma novidade estratégica e estrutural no funcionamento do sistema político português, que permite atualmente muito mais soluções", insistiu.

Interrogado sobre a possibilidade de a presente solução de Governo se repetir nos mesmos moldes na próxima legislatura, o presidente da Assembleia da República deu uma resposta prudente. "O que vai acontecer a partir de 6 de outubro só os eleitores é que podem determinar".

O presidente da Assembleia da República afirma que está disponível para se recandidatar ao cargo após as próximas eleições legislativas. "Acho que foi uma legislatura histórica, não apenas para mim, mas para a democracia e, sobretudo, para o país", sustentou Ferro Rodrigues, numa síntese dos quatro anos em que foi presidente do parlamento.

Questionado se admite recandidatar-se ao lugar, caso o PS vença as eleições, ou, pelo menos, se a esquerda mantiver uma posição maioritária no parlamento, o antigo líder socialista respondeu sem hesitações: "Parece-me que isso é evidente, não apenas pelas notícias, como por tudo aquilo que foi o último ano e meio de ação na minha intervenção".

"E a disponibilidade que manifestei foi correspondida pelo secretário-geral do PS [António Costa]", completou.