BES

Governador do Banco de Portugal quer ser ouvido no parlamento

Governador do Banco de Portugal quer ser ouvido no parlamento

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, enviou uma carta à comissão parlamentar das Finanças para prestar esclarecimentos sobre o seu papel no caso BES.

A notícia foi avançada pela edição online do semanário "Expresso", segundo a qual Carlos Costa quer "repor a verdade" na sequência da reportagem da semana passada, na SIC, sobre o caso BES [Banco Espírito Santo], com incidência na atuação do Banco de Portugal (BdP) no segundo semestre de 2013.

"Há um conjunto de acusações à supervisão que distorcem aquilo que é a realidade do que se passou", afirma Carlos Costa na carta enviada esta segunda-feira à comissão parlamentar das Finanças, citada pelo "Expresso".

Segundo a reportagem intitulada "Assalto ao Castelo", técnicos do BdP assinaram uma nota informativa interna, logo em novembro de 2013, na qual punham em causa a continuidade de quatro administradores do BES e sugeriam mesmo o afastamento imediato do presidente, Ricardo Salgado.

Ainda segundo o "Expresso", o governador do Banco de Portugal pretende esclarecer todos os pontos" levantados na reportagem, "em defesa do BdP e para promover a confiança" na instituição.

O PCP e o Bloco de Esquerda defendem a demissão de Carlos Costa do cargo de governador, mas o primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, recusou essa hipótese.

O líder parlamentar socialista, Carlos César, admitiu na quinta-feira que os novos dados que indiciam uma ação tardia do governador no caso BES constituem "objeto de reflexão", confirmando "falhas significativas" da supervisão.