Incêndios

Governo diz que batalha da limpeza de terrenos foi ganha

Governo diz que batalha da limpeza de terrenos foi ganha

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou esta segunda-feira, em Ansião, que se foi ganha a batalha pela limpeza dos terrenos, tem agora de se ganhar a batalha da consciência da autoproteção.

"Ganhámos a batalha da limpeza. Ganhámos contra a resistência, inércia e, sobretudo, aqueles que toleraram durante anos que se tivesse ficado tão longe do que era necessário. Teremos de ganhar a batalha da consciência da autoproteção", defendeu Eduardo Cabrita, que falava durante a apresentação dos programas "Aldeia Segura" e "Pessoas Seguras", que decorreu na localidade de Vale Florido, em Ansião, distrito de Leiria.

Durante o discurso, o governante sublinhou que o executivo vai ser tão determinado nesta batalha como foi "na batalha da limpeza nos meses anteriores".

Eduardo Cabrita vincou ainda que estão também a preparar, "com a mesma intensidade, todos os dias, a batalha pelo combate".

"Esta é a batalha por todos nós, voltando sempre que necessário a Pedrógão [Grande], para que a memória não passe com o tempo, para que esta memória não possa ser esquecida, para que se possa dizer Pedrógão nunca mais", frisou.

Segundo o ministro da Administração Interna, os dois programas hoje apresentados permitem levar o conhecimento ao "trabalho prático".

"Há muito conhecimento, mas se não conseguirmos chegar este trabalho a cada local, às pessoas concretas, de nada servirão as melhores leis do mundo ou os melhores estudos científicos que seja possível fazer", notou, considerando que o trabalho que há pela frente "é um desafio para todos".

Nesse sentido, os programas são também um desafio de criação de "uma consciência que parte de cada cidadão, de, face a uma situação de risco, saber o que fazer, saber a quem recorrer, para quem telefonar, saber o que significa o sino tocar ou o aviso de uma SMS de urgência", explanou.

Na aldeia de Vale Florido, foi assinado hoje um protocolo entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) para a concretização do 'Aldeia Segura' e 'Pessoas Seguras'.

Estes programas preconizam a criação de um "oficial de segurança" em cada aldeia para transmitir avisos à população, organizar evacuações e realizar ações de sensibilização sobre incêndios.

Os programas têm como principal alvo 189 municípios, que têm um total de 1.091 freguesias de risco.

De acordo com Eduardo Cabrita, o Governo pretende chegar ao máximo de locais possíveis das "seis mil aldeias, lugares e aglomerados" que estão identificados como de potencial risco.

Os programas assentam na "gestão de combustível, plano de evacuação de aldeias e campanha de sensibilização", segundo informação do Ministério da Administração Interna (MAI) avançada à agência Lusa.

Os programas estabelecem também a definição de locais de refúgio nas aldeias e a sensibilização das populações para o que fazer em caso de incêndio e como evitar comportamentos de risco, bem como a sinalização de caminhos de evacuação nos aglomerados populacionais.

O MAI estima que os programas 'Aldeia Segura' e 'Pessoas Seguras', que vão ser sobretudo dinamizados pelos municípios e juntas de freguesia, sejam implementados a partir de maio.

ver mais vídeos