Ensino

Governo vai repor o cronómetro da carreira dos professores a contar

Governo vai repor o cronómetro da carreira dos professores a contar

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou que o cronómetro da carreira dos professores vai voltar a contar para efeitos de progressão, mas que a reposição imediata e total dos anos de congelamento custaria 650 milhões de euros.

Esta posição foi assumida por António Costa no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, que durou cerca de três horas, e em que a questão do descongelamento das carreiras dos professores foi um dos principais temas em análise.

"Os professores não vão ficar de fora do processo de descongelamento das carreiras. Os professores foram objeto de uma medida que compreendo que os revolte e que a considerem injusta quando há vários anos se parou o cronómetro que contava o tempo da sua carreira para efeitos de progressão", disse o líder socialista, ouvido pelos jornalistas cerca da 1 hora da madrugada desta quarta-feira.

De acordo com o primeiro-ministro, a proposta de Orçamento do Estado para 2018, porém, "vai de novo pôr o cronómetro a funcionar".

"Este Governo não está a congelar, mas a descongelar, não está a cortar, mas a repor aos professores e a todos os trabalhadores da Administração Pública o direito a progredirem na sua carreira", frisou.