Premium

Guardas de baixa médica transferidos para reforçar cadeia de alta segurança

Guardas de baixa médica transferidos para reforçar cadeia de alta segurança

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) transferiu de outras cadeias para o Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, há mais de meio ano, seis guardas prisionais que já se encontravam de baixa médica quando tal aconteceu e que, até ao momento, "não se apresentaram ao serviço".

No sábado à tarde, uma festa de aniversário não autorizada de um dos reclusos ali a cumprir a pena foi transmitida em direto no Facebook durante cerca de 40 minutos, sem que, durante esse período, se visse qualquer guarda nas imediações. Nessa altura, estavam escalados para o Pavilhão A, onde decorreu a comemoração, quatro guardas para um total de 374 reclusos instalados naquela ala.

Ontem, a diretora daquela prisão de alta segurança, Maria Fernanda Barbosa, escusou-se, no Parlamento, a comentar a situação, alegando que a mesma se encontra "em investigação". Mas, pressionada pelos deputados, acabou por admitir os constrangimentos de funcionamento que existem e ressalvar que o estabelecimento tem "em permanência 28 guardas ausentes, 20 de atestado médico e seis que nunca apareceram". Isto num total de 160 efetivos.