Colocações

Há mais estudantes colocados no Ensino Superior

Há mais estudantes colocados no Ensino Superior

Sem surpresas. A 1.ª fase de acesso ao Ensino Superior, fechou com um aumento de 4,6% no número de colocações.

Ao todo, são 44 914 futuros caloiros, o que representa 85,7% dos que se candidataram. E 49% e 21,6% conseguiram lugar na 1.ª e 2.ª opções, respetivamente.

Como já tinha acontecido no ano passado, Engenharia destrona Medicina, ao ocupar os três primeiros lugares dos cursos com médias de entrada mais altas. Engenharia Aeroespacial, do Instituto Superior Técnico de Lisboa, volta a assumir a liderança, com o último colocado a entrar com 18,80 valores. Segue-se Engenharia Física e Tecnológica, do mesmo instituto, com 18,75 valores. Medicina mantém a 4.ª posição: 18,33 valores na Faculdade de Medicina do Porto.

Engenharia e Técnicas Afins foi a área com maior número de vagas sobrantes (1412). E Engenharia Civil volta a destacar-se, pela negativa. Nesta 1.ª fase, 12 dos 20 cursos ficaram desertos. Foram ocupadas 497 das 864 vagas em concurso, metade das quais na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e no Instituto Superior Técnico. Quanto a cursos vazios, há a registar um total de 44, 40 deles nos politécnicos.

ISCTE preenche todas as vagas

O ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa volta a repetir o feito dos últimos dois anos ao preencher todas as 1102 vagas. Na Nova de Lisboa, das 2706 vagas postas a concurso sobraram três; e no Porto, de 4185 lugares só restaram 16. Em sentido inverso, o Politécnico de Bragança preencheu 37% das vagas. De referir que nesta 1.ª fase, o número de colocados nos politécnicos subiu 8,4%, representando 38% do total.

De acordo com os cálculos da Direção-Geral do Ensino Superior, neste ano letivo o ensino superior público deverá contar com 73 mil novos alunos, 6,8 mil dos quais através de cursos técnicos superiores profissionais.