Brexit

Imigração regressa a níveis pré-crise. Britânicos aumentam 37%

Imigração regressa a níveis pré-crise. Britânicos aumentam 37%

Desde que foi feito o referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia, em 2016, o número de britânicos que pediu residência em Portugal já aumentou para mais de 26 mil.

Desde 2012 que Portugal não tinha tanta imigração, num total de quase 417 mil títulos de residência, e pouco faltará para atingir o máximo de sempre, em 2009, com quase 452 mil títulos de residência atribuídos a cidadãos estrangeiros que se fixam no nosso país. Entre estes, cresce rapidamente o dos britânicos que, na indecisão do Brexit, pedem para se tornar cidadãos portugueses para garantir que podem viver, trabalhar e circular na União Europeia.

Segundo os números do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), antes do referendo do Brexit, a 23 de junho de 2016, um total de 19384 britânicos residiam em Portugal. No ano seguinte, aquele valor aumentou 5,3% para um total de 22431 britânicos e, no ano passado, segundo o SEF, o mesmo valor terá aumentado para 26500. Desde 2015 que o número de residentes do Reino Unido em Portugal regista um crescimento, assim como os fluxos migratórios anuais.

Entre os imigrantes que fixaram residência em Portugal, os britânicos passaram de sexta para sétima nacionalidade em 2017, sendo ultrapassados, por pouco, pela China (5,5%). Nesse ano, voltou a descer o número de africanos (-2,8%), com particular incidência para cidadãos de países de língua portuguesa. A nacionalidade com maior emissão de imigrantes para Portugal continuou a ser o Brasil (85426 cidadãos, um aumento de 20,3% face a 2016), seguida de Cabo Verde (34986, mais 8,3%) e da Ucrânia (32453, +7,7%).

O Reino Unido iniciou o processo de saída da UE em 2017, depois do referendo de 23 de junho do ano anterior, em que 52% dos britânicos foram favoráveis e 48% votaram contra.

Após sucessivas rejeições de acordos de saída no Parlamento britânico, a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, solicitou um adiamento da saída da UE do atual prazo de 12 de abril para até 30 de junho.

No final de março, os dirigentes europeus recusaram um pedido similar de May e ponderam agora oferecer a Londres uma extensão flexível de um ano, que terminaria quando a Câmara dos Comuns aprovar o acordo alcançado em novembro de 2018.