Sondagem JN

Maioria absoluta em risco na Maia

Maioria absoluta em risco na Maia

Coligação de direita perde 9% e Francisco Vieira de Carvalho faz guindar o PS até aos 32%. CDU e BE perto de eleger um vereador.

A coligação PSD/PP voltaria a ganhar as eleições no concelho da Maia, mas a maioria absoluta está em risco. Esta é a principal conclusão a tirar da sondagem da Universidade Católica para o JN. A direita perde 9% dos votos, se atendermos ao resultado das autárquicas de 2013 (50,15%) e olharmos para as cifras apuradas nesta consulta prévia (41%).

Já o PS, que candidata Francisco Vieira de Carvalho, filho do histórico ex-presidente da Câmara José Vieira de Carvalho, conquista terreno eleitoral, mas não conseguirá sentar-se no mesmo cadeirão do progenitor. Os socialistas, que obtiveram 25,57% nas eleições de há quatro anos, dão um salto até aos 32% na sondagem do JN. Desempenho que, ainda assim, vem a revelar-se insuficiente para ditar uma reviravolta eleitoral. A consulta mostra que a coligação PSD/PP pode sonhar com cinco a seis mandatos, ao passo que o PS elegerá entre quatro a cinco vereadores.

À esquerda, a CDU solidifica a sua posição como terceira força política e pode aspirar à manutenção de um vereador. Ainda assim, de acordo com a sondagem da Católica, não é ainda certo que o consiga. Nas autárquicas de 2013, os comunistas conquistaram 7,73% dos votos. A auscultação agora feita coloca-os exatamente na mesma fasquia numérica (7%). Quem também pode eleger um vereador é o BE, embora essa hipótese seja mais remota. Os bloquistas alcançam 5% das preferências, na linha, de resto, com o resultado final obtido há quatro anos, que se saldou nos 5,98%.

A restante aritmética completa-se da seguinte forma: Clara Lemos, do PAN, obtém uns respeitáveis 4%; António Braz, do MPT, queda-se pelos 2%; e António João Fontes Maia, candidato independente com o apoio do PPV/CDC e do PPM, reúne 1% das preferências.

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP-Universidade Católica Portuguesa para o Jornal de Notícias nos dias 9 e 10 de setembro de 2017. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes no concelho da Maia. Foram selecionadas aleatoriamente cinco freguesias do concelho. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até que as médias dos resultados eleitorais das eleições autárquicas de 2005, 2009 e 2013 nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados nacionais dos cinco maiores partidos ao nível do concelho. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o próximo aniversariante recenseado eleitoralmente no concelho. Foram obtidos 718 inquéritos válidos, sendo 58% dos inquiridos do sexo feminino. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no concelho por sexo, escalões etários, e freguesia na base dos dados do recenseamento eleitoral e das estimativas do INE. A taxa de resposta foi de 69%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 718 inquiridos é de 3,6%, com um nível de confiança de 95%.

Leia mais sobre os resultados da sondagem na Edição Impressa do JN ou assine a edição e-paper.