Estudo

Maioria das vítimas de assédio no trabalho tem vínculo precário

Maioria das vítimas de assédio no trabalho tem vínculo precário

As mulheres são as principais vítimas tanto de assédio moral (16,7%) como de assédio sexual (14,4%) no local de trabalho, segundo um estudo que será debatido esta segunda-feira na Assembleia da República.

Promovido pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) e desenvolvido pelo Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, o estudo permite conhecer a dimensão desta realidade no local de trabalho e as suas características.

Segundo o estudo, que deu origem ao livro "Assédio moral e sexual no local de trabalho", que é apresentado esta segunda-feira, 15,9% dos homens já foram vítimas de assédio moral e 8,6% de assédio sexual no trabalho.

"Para homens (38,2%) e mulheres (41,8%) a situação mais marcante é ser sistematicamente alvo de situações de 'stress' com o objetivo de levar ao descontrolo", seguida da "desvalorização sistemática do trabalho" (27% nos homens e 31,3% nas mulheres).

Em termos globais, 16,5% população ativa em Portugal já sofreu pelo menos uma vez durante a sua vida profissional uma forma de assédio moral e 12,6% de assédio sexual no local de trabalho, adianta o inquérito, que envolveu 1801 pessoas, numa amostra representativa da população ativa.

No caso das mulheres sexualmente assediadas verificou-se que o autor ou autora mais frequente dessas situações é o superior hierárquico ou a chefia direta (44,7%), seguindo-se os colegas (26,8%) e os clientes, fornecedores e utentes, responsáveis por 25,1% destes "casos mais marcantes".

Quanto aos homens, os autores/as mais frequentes dos episódios de assédio sexual são os superiores hierárquicos e as chefias diretas (33,3%), os/as colegas (31,3%) e os clientes, fornecedores/as ou utentes (29,2%).

Comparando com os dados do primeiro inquérito sobre assédio sexual em Portugal (1989), o estudo conclui que, nesse ano, os autores eram maioritariamente colegas de trabalho (57%), enquanto em 2015 foram os superiores hierárquicos ou chefias diretas (44,7%).

A investigação salienta ainda que, em 2015, os números do assédio sexual e moral são "muito expressivos e superiores aos que se verificam na média dos países europeus", e que a maioria das vítimas tinha "um vínculo laboral marcado pela precariedade e pela instabilidade".

Nesse ano, o assédio sexual em Portugal atingia valores de 12,6% (homens e mulheres), enquanto na média dos países europeus se situavam nos 2% em 2010.

Relativamente ao assédio moral a relação é de 16,5% em Portugal para 4,1% na média dos países europeus.

Comparando 1989 e 2015 observou-se uma diminuição da frequência com que as mulheres são alvo assédio sexual, baixando de 34% para cerca de 14%.

"As reações imediatas às situações de assédio em 2015 envolvem o confronto do outro mostrando desagrado imediato (52%), revelando que se interpreta a situação como intolerável, ofensiva e não se admite a sua repetição, enquanto em 1989 fazer de conta que não se notou a situação era a reação mais frequente (49% das mulheres)", adianta o estudo.

ver mais vídeos