Portugal/China

Marcelo dá como certa aliança luso-chinesa contra alterações climáticas

Marcelo dá como certa aliança luso-chinesa contra alterações climáticas

O presidente português considerou, esta terça-feira, que as relações entre Portugal e a China vivem talvez o momento "melhor de sempre na história" e deu como certa uma aliança luso-chinesa numa "luta ativa" contra as alterações climáticas.

"Tenho a certeza de que verei Portugal e China unidos numa luta ativa e determinada pelo meio ambiente e no respeito pelos compromissos do combate às alterações climáticas", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa falava no jantar oficial que ofereceu em honra do Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, e da sua mulher, Peng Liyuan, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

Nesta ocasião, o chefe de Estado reiterou que gostaria de ver Portugal e China "com uma cooperação internacional em defesa dos valores do multilateralismo, do direito internacional, do Estado de direito, da paz, do desenvolvimento e dos direitos humanos", mensagem que já tinha deixado hoje à tarde, quando recebeu Xi Jinping no Palácio de Belém.

No discurso de cerca de sete minutos que fez neste jantar oficial, divulgado na página da Presidência da República na internet, Marcelo Rebelo de Sousa disse também que "gostaria de ver aumentar mais o comércio entre os dois países".

"Ambos ganharíamos", defendeu. "Gostaria de ver Portugal e China com uma troca de investimentos que dê continuidade ao esforço iniciado poucos anos atrás", acrescentou.

O Presidente português manifestou ainda a vontade de ver os dois países "mais próximos no conhecimento dos seus povos, na educação, na ciência, na cultura", salientando que pela parte portuguesa é rejeitada "uma visão mercantil" das relações bilaterais.

No seu entender, este momento preciso das relações luso-chinesas é, "porventura, o melhor de sempre na história" e antevê-se um "futuro promissor".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a China e Portugal mantiveram "um relacionamento exemplar no passado", que é "novamente exemplar no presente".

Relativamente a Macau, sustentou que "foi sempre um elo de ligação" e "nunca um motivo de separação ou desentendimento" entre os dois países, "por nunca ter sido uma possessão colonial, mas sim o resultado de um entendimento sereno que portugueses e chineses sempre souberam respeitar".

O chefe de Estado português declarou que Portugal se orgulha de "ser o país do hemisfério ocidental com a relação ininterrupta mais longa com a China" e de "nunca Portugal e China terem tido um único conflito militar".

"Nem sempre estivemos de acordo, mas sempre soubemos dialogar, na diferença de opiniões, valorizando o que mais nos unia e relativizando o que nos separava. São raros os exemplos do mundo de duas nações com uma história comum tão antiga e, simultaneamente, tão amistosa", realçou.

Marcelo Rebelo de Sousa falou a Xi Jinping do "fascínio especial e profundo" que a China exerceu sobre os portugueses, desde logo, no mundo literário, recorrendo a excertos de obras de Fernando Pessoa e de Eça de Queiroz.

Mais à frente, para expressar "confiança no futuro," citou frases de Confúcio - "Transmito, não invento nada. Confio e respeito o passado" - e de Lu Xun - "Crê apenas nos que têm dúvidas" e novamente de Eça: "Tudo tem havido na China, nestes últimos dez mil anos mais chegados - exceto um pessimista".

No final, pediu a todos que se juntassem num brinde pelo Presidente Xi Jinping e pela sua mulher, "pela prosperidade dos povos de Portugal e da China, e pelo constante desenvolvimento da amizade e da parceria luso-chinesa".

ver mais vídeos