Debate

Marcelo tem "opinião" sobre eutanásia mas reserva-a

Marcelo tem "opinião" sobre eutanásia mas reserva-a

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira que tem "uma opinião" sobre a questão da eutanásia, mas irá reservá-la para mais tarde, para "não crispar" um debate que quer "amplo e profundo".

No final de uma visita às urgências do Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, onde serviu refeições como "voluntário honorário", o chefe de Estado lembrou que a sua experiência de voluntariado em hospitais foi na área dos cuidados paliativos, onde contactou com muitos doentes terminais.

"É uma matéria que eu conheço razoavelmente bem, que acompanhei, sobre a qual tenho opinião, mas relativamente à qual a minha posição tem sido firmemente a mesma: é importante que haja um debate amplo e profundo na sociedade portuguesa", disse, repetindo um apelo já lançado hoje de manhã.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente "não deve estar a pronunciar-se" sobre a morte medicamente assistida, num momento em que há "duas posições contraditórias" e em que haverá diferentes projetos legislativos.

"Na devida altura, quando tiver de intervir, não deixará de intervir", assegurou.

Questionado sobre se assinaria alguma das duas petições já entregues no parlamento -- uma a favor e outra contra a despenalização da eutanásia -- caso não fosse Presidente da República, o chefe de Estado respondeu apenas: "Se não fosse Presidente (...) não era Presidente, mas como sou Presidente, sou Presidente".

"Isso descrispa a sociedade, porque assim as pessoas não se sentem condicionadas no seu debate. Se o Presidente da República disser: 'defendo um amplo debate, mas debatam o que debaterem, eu defendo isto e vou fazer isto'(...). Isso é que era crispar a sociedade portuguesa", defendeu, escusando-se igualmente a pronunciar-se sobre se deve ou não realizar-se um referendo sobre esta matéria.

Durante mais de uma hora, o Presidente da República serviu refeições nas urgências do Hospital São Francisco Xavier, tendo recebido uma bata e um cartão de voluntário honorário, para o efeito.

À chegada ao hospital tinha à sua espera a antiga líder do PSD Manuela Ferreira Leite, que preside à Liga dos Amigos do Hospital São Francisco Xavier, que coordena as ações de voluntariado e entidade da qual partiu o convite ao Presidente da República.

"O meu objetivo foi sobretudo dar um sinal de apoio aos meus colegas voluntários, têm um mérito enorme, não é apenas o servir as refeições, é o acompanhar, ouvir a história, faz toda a diferença", explicou, no final, em declarações aos jornalistas.

O chefe de Estado disse, por um lado, ter matado saudades desta atividade e, por outro, ficado motivado para "de quando em vez fazer voluntariado nos curtos períodos" em que não faz "voluntariado político".

Com a visita a acabar, já à hora de jantar, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter tido "alguma inveja" das refeições que ajudou a servir.

"Porque me pareceu a sopa de legumes boa -- esta sopas eram sempre muito aguadas e esta não estava -- e porque a sobremesa me pareceu também boa", disse, revelando que entre os vários doentes apenas um preferiu a maçã ao leite-creme.

"Lamberam-se as senhoras com o leite-creme. Mesmo as que já não queriam a sopa quando viram o leite-creme (...) melhoraram instantaneamente", gracejou.

Imobusiness