Mau tempo

Tromba de água e granizo provocam estragos no Norte e Centro

Tromba de água e granizo provocam estragos no Norte e Centro

O mau tempo que se faz sentir, esta quinta-feira à tarde, no Norte e Centro do país provocou quedas de árvores e inundações.

Os bombeiros dos concelhos de Miranda do Corvo (Coimbra), Amares (Braga), Vila Real, Vila Pouca de Aguiar, Pinhão, Alijó, Mesão Frio, Santa Marta de Penaguião e Sabrosa (Vila Real) foram chamados para responder a dezenas de pedidos de ajuda, devido à forte pluviosidade e vento.

"Foi uma coisa impressionante, como eu nunca vi. Na vila chegamos a ter 15 centímetros de água nas ruas ", afirmou o presidente da Câmara de Mesão Frio, Alberto Pereira.

Alberto Pereira foi para o terreno avaliar os estragos provocados pelo mau tempo e, segundo descreveu, "está tudo um pandemónio". "Casas com água a entrar, estradas cortadas, está tudo muito complicado. Andamos com cerca de 10 equipas no terreno a ver o que podemos resolver", salientou.

O autarca falou em "estragos significativos", mas adiantou que só na sexta-feira é que conseguirá ter "a real dimensão do que aconteceu".

No concelho de Santa Marta de Penaguião, as preocupações viram-se para a vinha da Região Demarcada do Douro devido à queda de granizo. "Eram pedras do tamanho de cerejas. Caiu granizo durante cerca de 10 minutos mas com muita intensidade", afirmou o presidente da junta de Fontes, Hugo Sequeira.

O autarca disse que, neste momento, "ainda não há uma noção dos estragos", mas, adiantou que "os agricultores estão muito preocupados".

Em Vila Pouca de Aguiar, uma tromba de água, acompanhada de trovoada, provocou inundações em lojas comerciais e residências. Edifícios públicos, como o pavilhão gimnodesportivo e as piscinas municipais, também foram atingidos.

A chuva intensa misturada com granizo, que começou a cair por volta das 16 horas e durante cerca de 30 minutos, inundou várias artérias da localidade, nomeadamente um troço da Estrada Nacional nº 2, obrigando os carros a parar, por falta de visibilidade e condições para prosseguir.

O cruzamento para a aldeia de Fontes também ficou inundado, impossibilitando a passagem de viaturas. Na localidade de Raiz do Monte, um raio chegou mesmo a provocar um incêndio, que só não progrediu devido à intensidade da chuva.

A Proteção Civil Municipal e a GNR estão no terreno para acudir às situações mais preocupantes.

No Pinhão, concelho de Alijó, foi afetada a principal avenida da vila e a zona ribeirinha. O responsável pela proteção civil municipal, José Carlos Rebelo, disse à agência Lusa que se verificaram "quedas de terras e muita água acumulada", afetando a zona da estação ferroviária e provocando inundações em casas comerciais e particulares. Para o local foram mobilizados 25 operacionais e nove viaturas.

Em Sabrosa, segundo o presidente da câmara, Domingos Carvas, o mau tempo afetou principalmente o centro da vila, onde se registaram várias inundações de casas particulares e comerciais.

O mau tempo originou inundações na via pública, em Miranda do Corvo e Lousã, no distrito de Coimbra, além de ter inundado também uma habitação, na Lousã.

Os primeiros alertas para as anomalias foram registados cerca das 16:45, meia hora depois de a chuva ter começado a cair com intensidade, sobretudo nas povoações junto à Serra da Lousã.

Nas Fontaínhas, lugar da freguesia das Gândaras, no concelho da Lousã, o temporal "derrubou seis árvores", que na queda arrastaram cabos elétricos da rede pública, segundo a fonte do CDOS.

A Lusa verificou na zona que diversas hortas, vinhas, pomares e batatais foram destruídos pelo granizo e que a água inundou diversos campos.

"O grande problema foi a destruição na agricultura", disse o responsável da Proteção Civil Municipal de Miranda do Corvo, Fernando Jorge.

A água arrastou granizo para as zonas baixas e nalgumas povoações a quantidade de gelo acumulado "chegou a ter meio metro" de espessura, acrescentou Fernando Jorge, que é também comandante dos Bombeiros Voluntários desta vila.

Dez distritos de Portugal continental estão sob aviso amarelo, esta quinta-feira, devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o Instituto, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Bragança, Porto, Aveiro, Guarda, Viseu, Coimbra e Castelo Branco vão estar sob aviso amarelo até às 23:59 horas devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes e que poderão ser de granizo e acompanhados de trovoada.

Imobusiness