Premium

Médicos e enfermeiros vão ter um "botão de pânico"

Médicos e enfermeiros vão ter um "botão de pânico"

Os médicos e os enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão ter um "botão de pânico" para acionarem sempre que se sentirem ameaçados por um utente.

Essa é uma de várias medidas que começam a ser aplicadas, de forma experimental, em três unidades de saúde do concelho da Amadora. As medidas serão monitorizadas durante seis meses a um ano e depois serão implementadas, de uma forma gradual, em todo o país, adianta a secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte, ao JN.

Foram as próprias unidades de saúde abrangidas que ajudaram a encontrar as soluções para um problema que "há muitos anos" preocupa o Governo. Só no ano passado, foram registadas 953 notificações de casos de violência para com médicos e enfermeiros do SNS. Acresce que, em 12 anos de existência, o Observatório Nacional da Violência Contra os Profissionais de Saúde no Local de Trabalho, afeto à Direção-Geral da Saúde, já totalizou 4639 notificações. Até ao final do primeiro trimestre deste ano, foram assinaladas 383 situações, avança a tutela.