Matosinhos

Milhares no funeral do bispo Manuel Martins

Milhares no funeral do bispo Manuel Martins

Cerca de três mil pessoas marcaram presença nas cerimónias fúnebres do bispo emérito de Setúbal Manuel Martins, no Mosteiro de Leça do Balio, em Matosinhos.

Além da vice-presidente da Assembleia da República, Teresa Caeiro, o funeral não teve a presença de nenhum membro do governo, nem de líderes partidários.

O funeral iniciou-se com os sinos a tocar durante cerca de cinco minutos, tendo depois a homilia sido proferida pelo atual bispo de Setúbal, José Ornelas.

Muitas pessoas presentes no Largo do Mosteiro não puderam entrar e assistiram às cerimónias através de três ecrãs gigantes colocados no exterior.

O corpo de Manuel Martins foi sepultado no cemitério, junto ao mosteiro.

O bispo emérito de Setúbal morreu no domingo aos 90 anos. A missa de sétimo dia será celebrada em 01 de outubro, pelas 16:00, na Sé de Setúbal.

Nascido em Leça do Balio, a 20 de janeiro de 1927, Manuel Martins foi o primeiro bispo de Setúbal, nomeado em 1974, e chegou a ser conhecido por "bispo vermelho", durante a crise dos anos 80, pelas denúncias que fez de situações de pobreza e de fome na região.

Foi pároco de Cedofeita, nos nove anos de exílio do bispo do Porto António Ferreira Gomes (1960-1969), durante o Estado Novo, e foi vigário geral após o regresso do prelado.

Em 1975, um ano após o 25 de Abril de 1974, Manuel Martins foi nomeado bispo da diocese de Setúbal, de onde só saiu 23 anos depois, em 1998.

Foi presidente da comissão episcopal da Ação Social e Caritativa e da Comissão Episcopal das Migrações e Turismo, e da secção portuguesa da Pax Christi.

Conteúdo Patrocinado