afeganistão

Militares com blindados emprestados

Militares com blindados emprestados

Portugal está a preparar uma força de comandos para seguir para o Afeganistão, mas não há blindados suficientes e terá que ser o Estado norte-americano a emprestar viaturas blindadas para proteger os soldados portugueses, soube o JN.

A decisão, relativa ao empréstimo de 15 viaturas, está praticamente tomada, depois de atrasos sucessivos na aquisição de viaturas blindadas para equipar a força formada por 162 comandos do Exército e elementos da Força Aérea, que parte em Janeiro para aquele perigoso teatro de operações.

Os portugueses irão ser uma das forças de reacção rápida da ISAF, o comando da força da Aliança Atlântica para o Afeganistão.

Mas não é apenas esta força a receber os blindados emprestados pelos norte-americanos e pela mesma razão também os cerca de 30 fuzileiros destinados igualmente ao Afeganistão, para garantir a segurança do aeroporto de Cabul - com menos risco que a missão do Exército -, terão que receber por empréstimo dos EUA dez viaturas.

O cenário acaba por uma repetição do que aconteceu em 2005, quando a primeira força a ser enviada para o Afeganistão, também de comandos, teve que receber blindados emprestados, desta feita pelos espanhóis, e desde então o problema continua por solucionar. O Exército, que não quis comentar a informação e adiantou que o "assunto está a ser tratado nas instâncias competentes", chegou a propor ao Ministério da Defesa ainda na anterior legislatura a aquisição de 17 blindados Hummvee.

O objectivo, definido ainda durante o Verão, era equipar a Força Nacional Destacada de 162 homens destinada ao Afeganistão e garantir uma reserva no caso de baixas, além de permitir a preparação da força seguinte, cuja instrução obriga também a dispor de Hummvee.

No entanto, a Direcção-Geral de Armamento acabou por convencer o anterior ministro, Severiano Teixeira, de que seria mais vantajoso esperar por um concurso de blindados ligeiros - do tipo dos Hummvee - que estaria a decorrer, para aquisição de 150 viaturas, ao invés de avançar para uma adjudicação directa.

No entanto, a verdade é que Severiano Teixeira, com as eleições no horizonte, acabou por suspender a execução da Lei de Programação Militar (LPM), o que trouxe por arrastamento a suspensão do concurso, que só deverá ser retomado a partir de Maio do próximo ano, quando a LPM for revista.

O Ministério da Defesa, agora com Augusto Santos Silva, instado a comentar, respondeu que a força portuguesa "usará meios próprios e usará meios obtidos no quadro da boa colaboração com os nossos aliados. Esta é a razão de ser dos sistemas de alianças".